Maratona de Londres com novo duelo Eliud Kipchoge-Mo Farah

O recordista do Mundo da Maratona, Eliud Kipchoge, é a nova presença assegurada pelos organizadores da Maratona de Londres, agendada para 28 de abril. Nova oportunidade para ver o duelo entre o queniano, atual campeão, e o inglês Mo Farah, que procura alcançar a sua primeira vitória perante os seus “súbditos” (foi terceiro em 2017).

 

«É sempre uma grande honra participar na Maratona de Londres. O ano passado foi um ano memorável, com a vitória em Londres e o recorde do Mundo em Berlim (NDR: 02h01m39). Espero que 2019 também seja positivo», afirmou Eliud Kipchoge, que admitiu que aguarda com expetativa o duelo com Mo Farah. «Mal posso esperar por lutar com o Mo Farah de novo. É um grande campeão, que provou em Chicago que pode ganhar uma Major. Espero deste modo uma batalha renhida, tanto com ele como com os outros grandes atletas que estarão à partida em Londres.»

Em declarações à página do Twitter da Maratona de Londres, Kipchoge revelou que pretende superar o seu recorde do Mundo da Maratona, tendo Londres como um possível local para tal feito.

 

No ano passado, Kipchoge registou o tempo de 2h04m17, o seu terceiro triunfo em três presenças em Londres (é o recordista da prova, com 2h03m05). O queniano soma nove triunfos consecutivos na Maratona, um registo realmente impressionante para um dos atletas de sempre do Desporto mundial.

 Para comemorar a presença de Kipchoge, a organização está a sortear um dorsal assinado pelo queniano.

 

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos