Kilian Jornet sobe o Evereste pela segunda vez em menos de uma semana

Kilian Jornet volta a surpreender. O espanhol, de 29 anos, voltou a subir o ponto mais alto da Terra, o Evereste, com os seus 8.848 metros, sem ajuda de sherpas, oxigénio artificial ou cordas. A última vez tinha sido há… seis dias!

 

Depois de ter subido o Evereste na semana anterior desde o Mosteiro de Rongbuk, a 5.100 metros, desta vez Jornet começou o seu desafio no campo base avançado, a uns 6.500 metros. Até o topo, demorou 17 horas (há seis dias, foram cerca de 21 horas), evitando assim um percurso de 30 km de um percurso com pedra e gelo. O regresso foi feito em cerca de 11h30. Ou seja, o catalão gastou nesta nova aventura cerca de 28h30.

 

LEIA TAMBÉM
Ninguém subiu tão rápido o Evereste como Kilian Jornet

 

«Estou muito emocionado por ter alcançado novamente o topo do Mundo. Encontrava-me bem, apesar do forte vento, que dificultou a minha subida. Acredito que fazer duas vezes o topo do Evereste em uma semana e sem oxigénio poderá estabelecer uma nova linha de possibilidades para o alpinismo. Estou muito contente por ter alcançado este feito», afirmou Jornet.

Jornet volta a surpreender tudo e todos
Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos