Kerstin Bertsch regista incrível recorde do Mundo na Maratona de Frankfurt

A Maratona de Frankfurt registou, além do recorde do Mundo para atletas com ou mais 40 anos, outro registo mundial, concretamente de uma mãe, Kerstin Bertsch,  a correr com um carrinho para dois filhos.

 

A alemã Kerstin Bertsch, de 29 anos, revelou dias antes da Maratona de Frankfurt que estava preparada para o desafio de superar o recorde do Mundo de uma atleta a empurrar um carrinho de bebé, no caso dois bebés (Johanna e Emil). O objetivo era superar o registo de 3h22m05.

A sua confiança foi determinante para o seu invejável feito, já que correu a prova em 3h14m24, terminando assim um treino intenso de 13 semanas e mais de 1000 km de corrida.

Schnellste Marathon-Mama der Welt: Kerstin Bertsch läuft Weltrekord mit Doppelkinderwagen

Weltrekord mit Baby-Jogger! Kerstin Bertsch schafft es die alte Bestzeit deutlich zu unterbieten und kommt mit der fabelhaften Zeit von 03:14:24 in die Frankfurter Festhalle, natürlich zusammen mit ihren beiden Kindern. Wahnsinn! +++World record with carrying a baby-jogger! Kerstin Bertsch manages to undercut the old best time and finishs with the fabulous time of 03:14:24, of course, together with her two children. Congrats!

Publicado por Frankfurt Marathon em Domingo, 28 de Outubro de 2018

De referir que Bertsch corre desde os 7 anos e as suas melhores marcas, a correr sem o carrinho, segundo os órgãos alemães, são os seguintes:

3.000 em pista: 10m09
5 km: 17m26
10 km: 35m43
Meia-maratona: 1h20m24

Saliência ainda para o registo alcançado em março último por Bertsch, que correu uma Meia-maratona em 91 minutos, novamente com os seus filhos, novamente um recorde mundial.

LEIA TAMBÉM
Mark Kiptoo estabelece novo recorde do Mundo da Maratona para atletas com mais de 40 anos

 

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos