Ineos 1:59 Challenge: Kipchoge vai tentar superar novamente a barreira das 2h00 na Maratona

Depois do projeto “Breaking2 Nike”, é agora a vez do projeto “Ineos 1:59 Challenge”, com Eliud Kipchoge, recordista mundial da distância, em busca de um dos grandes sonhos do Homem: correr a Maratona em menos de 2h00.

Após dois anos, o queniano revelou que vai procurar novamente correr a distância da Maratona em menos de 2h00, desta vez através de um projeto financiado pelo milionário Jim Ratcliffe, um apaixonado pelo desporto.

Após a “desilusão” do “Breaking2 Nike”, quando Kipchoge correu a distância no autódromo de Monza em 2h00m25, a lenda da distância procura alcançar um feito apenas igualável ao alcançado por Roger Bannister, quando, em 11964, correu a milha (1,6 km) em menos de 4m00.

LEIA TAMBÉM
A lenda Eliud Kipchoge
Maratona de Londres estreia um documentário com Eliud Kipchoge
O treino principal de Eliud Kipchoge para o recorde do Mundo da Maratona
Eliud Kipchoge: «Aprendi que o impossível é possível»
Falhada a tentativa de correr a Maratona em menos de 2h00

Ao que tudo indica, o desafio ocorrerá a 13 de outubro, em Londres, onde, recentemente, o queniano correu a Maratona local em 2h02m37, o segundo melhor tempo de sempre (o primeiro, 2h01m39, está na sua posse desde Berlim do ano passado). Kipchoge já disse que é possível correr em menos de 2h00, algo que certamente será um marco para a modalidade

Recorde aqui as parciais de Kipchoge em Monza (2h00m25/ 59m57 + 60m28 / média de 2m51s23/km):

5km: 14m14
10km: 28m21 (14m07)
15km: 42m34 (14m13)
20km: 56m49 (14m15)
25km: 1h11m03 (14m14)
30km: 1h25m20 (14m17)
35km: 1h39m37 (14m17)
40km: 1h54m04 (14m27)

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos