Gatlin controlado 59 vezes pela USADA

gaitlin

Suspenso entre 2006 e 2010 devido ao consumo de doping, o norte-americano Justin Gatlin, campeão olímpico de 100 metros em Atenas 2004, hoje com 33 anos, já foi submetido pela Agência Antidoping dos Estados Unidos (USADA) a testes antidoping por 59 vezes desde o seu regresso.

 

Se gostou deste artigo, seja nosso amigo e partilhe pelos seus amigos no Facebook

 

Segundo a USADA, Gatlin não acusou positivo em nenhum dos 59 exames efetuados desde agosto de 2010, uma boa notícia para o desporto mundial, já que o velocista é um dos grandes nomes da modalidade.

O curioso é que o norte-americano alcançou os seus recordes pessoais nos 100 (9s74) e 200 metros (19s57) recentemete, concretamente no Meeting de Doha, em maio, e no Meeting de Eugene, no passado 4 de julho, respetivamente.

Recorde-se que Gatlin acusou positivo por testosterona em 2006, sendo condenado na ocasião a oito anos, embora a pena tenha disso reduzida posteriormente para quatro anos devido a sua colaboração com a USADA.

A Agência Antidoping dos Estados Unidos revelou o número de exames que o velocista foi alvo ao longo dos últimos anos, seja em competição ou aleatoriamente (de referir que estes dados não incluem testes feitos por outros organismos internacionais, como a IAAF, por exemplo):

2011 – oito vezes
2012 – 13 vezes
2013 – 14 vezes
2014 – 15 vezes
2015 – nove vezes

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos