“El Comandante” Ricardo Ribas ainda sonha com a seleção nacional

Após anunciar que não representaria mais a seleção nacional após o Mundial de Londres, Ricardo Ribas voltou atrás devido as «mensagens de apoio e muito carinho». O português procurará obter o índice para a Maratona dos Europeus de Berlim, em agosto.

 

«Admiti não voltar a competir pela seleção nacional mas…
Mensagens de apoio, muito carinho de quem está ao meu lado todos os dias, comentários fora de tempo (de pessoas para qual o dia tem 25h00 e, como não têm nada que fazer, criticam tudo e todos) e muita paixão pelo meu talento fizeram com que mudasse de ideias. Vou lutar novamente contra o relógio, à procura da marca de qualificação.
Se vou conseguir, não sei, mas, pelo menos, tentaremos. Considero-me um teimoso», escreveu Ribas na sua página do Facebook.

LEIA TAMBÉM
Ricardo Ribas diz adeus à seleção de Portugal

Recorde-se que o atleta do Benfica decidiu não representar mais as cores nacionais após a desilusão do Mundial de Londres.

«Tudo tem um início e um fim e hoje digo, com ORGULHO, que fechei um ciclo na minha carreira desportiva, a minha última internacionalização. Foram 35 onde estive presente nos europeus, mundiais e JO (estrada, cross e pista), tendo a oportunidade de ser capitão em duas delas.
Agradeço a FPA e todos seus colaboradores que, ao longo destes anos, me ajudaram a obter os meus resultados, querendo destacar, no departamento médico, o massagista Sr. António Vieira, uma pessoa incansável nestes últimos dois anos.
Final de carreira???????
Não, ainda tenho um objetivo a concretizar, SOU TEIMOSO😂😂»,escreveu na altura.

LEIA TAMBÉM
Maratona: Ricardo Ribas desiste no Mundial de Londres

Os tempos de qualificação para o Europeu de Atletismo de Berlim, para a Maratona, são 2h13m30 (índice A) e 2h15 (índice b).

Ribas vai procurar alcançar o tempo necessário na Maratona de Dusseldorf, agendada para o dia 29 de abril. O português terá como companhia na prova Doroteia Peixoto, atleta orientada precisamente por Ribas.

Será que o El Comandante estará de regresso, voltará a vestir as cores de Portugal?

LEIA TAMBÉM
Os conselhos de Ricardo Ribas para a São Silvestre de Lisboa

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos