Eduardo Mbengani e Susana Cunha vencem São Silvestre dos Olivais

Eduardo Mbengani, atleta que representa as cores do Benfica, e Susana Cunha, do Linda-a-Pastora, foram os grandes vencedores da 28.ª edição da São Silvestre dos Olivais, a São Silvestre mais antiga da capital portuguesa.

 

Partilhe pelos amigos e faça um LIKE na nossa página. Obrigado!

 

Com o tempo de 31m32 após dez quilómetros, Eduardo Mbengani superou João Pereira (Maratona), com mais um segundo, e Pedro Arsénio (Beja AC), com mais seis segundos. Feliz com a sua primeira participação, o vencedor confessou aos jornalistas que não esperava um percurso tão difícil, mas que todo o esforço foi recompensado com o triunfo.

Susana Cunha registou 35m53 e superou Vanessa Fernandes, do Benfica, com 38m36, e Rita Mineiro, do CDUL, e 38m58. Vencedora em 2016, Susana Cunha, que participou pela quarta vez na prova, voltou a repetir o feito. No final, a atleta do Linda-a-Pastora salientou o espírito desportivo e não competitivo na única São Silvestre em que participa. Já Vanessa Fernandes revelou que um calendário preenchido para 2017, pois pretende participar no Nacional de Atletismo, mas também estar presente no cross e nas taças de clubes.

Por último, nota para o padrinho da prova deste ano, Pedro Proença, que destacou mais uma vez o carácter popular e festivo que se vive na São Silvestre dos Olivais, que este ano comemorou 28 edições e acolheu cerca de 1800 atletas.

 

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos