Corre a Maratona em cerca de 2h30? Ele correu com um carrinho de bebé

A Scotiabank Toronto Waterfront Marathon ficou marcada pelo feito de Ed Whitlock, de 85 anos, que correu os 42,195 km em menos de 4h00. No entanto, outro registo mundial foi alcançado na prova: o melhor tempo a correr com um carrinho de bebé.

 

Partilhe pelos amigos e faça um LIKE na nossa página. Obrigado!

 

nerff1Calum Neff corre com regularidade a nível competitivo desde 1988, mas foi a partir de 2012 que começou a correr com a filha Alessandra, hoje com quatro anos, carregando a sua descendente num carrinho de bebé. Agora, em Toronto, Neff alcançou um novo recorde do Mundo na “especialidade”, atingindo a marca de 02h31m21, menos 11 minutos que o anterior registo.

De referir que Neff terminou a prova na 19.º posição da classificação geral (cerca de 4500 inscritos), terceiro do seu escalão, e transmitiu a prova através da página do Facebook do site Fatherly.

Neff corre desde que tinha quatro anos, quando corria com o pai distâncias de um quilómetro, “vício” que procura incutir agora na sua filha, Alessandra.

«Quando Alessandra era um bebé, precisava de correr uma meia-hora para ela adormecer. Agora, que tem quatro anos, faz um milhão de perguntas por segundo», afirmou para a revista Canadian Running.

Por último, de salientar que Cuff será pai pela terceira vez em breve. Ou seja, a corrida com o carrinho de bebé vai continuar por mais algum tempo…

LEIA TAMBÉM:

Corre a Maratona em menos de 4h00? Ele correu e tem 85 anos

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos