Carlos Móia: «Vamos ter 34 mil pessoas na XXV Meia-maratona de Lisboa»

meia

 

O presidente do Maratona Clube de Portugal, Carlos Móia, acredita que a XXV Meia-maratona de Lisboa, no dia 22 de março, terá 34 mil pessoas. Restam apenas duas mil inscrições para tal acontecer.

«No primeiro ano, em 1991, tivemos 3.973 atletas que cortaram a meta. Este ano vamos ter 34.000», afirmou Móia na recente apresentação da XXV Meia-maratona de Lisboa, que decorreu em Almada.

Ao comemorar 25 anos, o dirigente recordou a importância da prova no desporto nacional, «uma prova que convidou as pessoas a irem para a rua, a andarem, a correrem (…) A Meia-maratona superou as nossas melhores expetativas». Superação que aconteceu devido a pessoas «que ousaram sonhar em 1991».

De novidades este ano, a XXV Meia-maratona de Lisboa, além do Passeio Avós e Netos, da prova minicampeões e da corrida em cadeira de rodas, terá uma inédita prova de sete quilómetros, com partida do Estádio Nacional e chegada no Mosteiro dos Jerónimos.

«Para uns esta prova servirá de treino para a meia-maratona, para outros servirá para correr e divertir.»

Refira-se que Meia-maratona de Lisboa e a corrida em cadeiras de rodas, que atravessam a Ponte 25 de abril, será realizada no dia 22 de março, domingo. Um dia antes realizam-se as anteriores.

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos