Carla André é a primeira portuguesa a terminar uma das provas mais duras do Mundo segundo a National Geographic

carla

Primeira representante feminina portuguesa na exigente Badwater 135 (217 km), considerada pela Nationa Geographic uma das provas mais duras do Mundo, a gerente bancária Carla André, que já participou na Maratona das Areias, conseguiu concluir o seu sonho e cruzou a meta da prova, que é realizada debaixo de fortes temperaturas na Califórnia.

 

Partilhe pelos amigos e faça um LIKE na nossa página. Obrigado! 

 

Com o tempo de 44h35m14, Carla André alcançou um honroso 19.º lugar no feminino, 72.º da geral. A corredora que treina essencialmente em Sintra, disse que o tempo era o de menos, que o seu grande objetivo era terminar a prova, feito que conseguiu.

Leia aqui a entrevista a Carla André dias antes da viagem da portuguesa para os Estados Unidos. A atleta treinou inclusive numa sauna para estar em condições de correr no denominado Vale da Morte…

A prova foi ganha pelo norte-americano Pete Kostelnick, com 21h56m32, enquanto a primeira mulher a cruzar a meta foi Alyson Ventu, de Barbados, com 25h53m07.

A Badwater 135 começa na baía de Badwater (86 metros abaixo do nível do mar) e termina no monte Whitney (4.421 metros de altitude), os pontos mais baixo e mais alto do território norte-americano.

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos