Campeão da Fórmula 1 supera recorde pessoal na Maratona de Londres

button

A temporada de Jenson Button não tem sido fácil na Fórmula 1. Em quatro provas, terminou duas, mas não conquistou nenhum ponto. Para espairecer, o inglês correu a Maratona de Londres. E a verdade é que o seu tempo não é para envergonhar ninguém…

 

Faça um LIKE na nossa página. Só assim poderemos continuar com o nosso trabalho. Obrigado! 

 

LEIA TAMBÉM:

Sim, eles participaram da Maratona de Londres…

Kipchoge ignora favoritismo de Kipsang e Kimetto e vence Maratona de Londres

Dulce Félix melhora o seu tempo pessoal e alcança oitavo lugar na Maratona de Londres; Tigist Tufa vence

 

Se os carros apresentam problemas, as pernas de Button estão perfeitas, como provou na Maratona de Londres no domingo. Adepto e praticante de triatlo, o inglês, que correu pela Cancer Research UK, terminou com o tempo de 2h52m30, um tempo realmente bastante aceitável para um corredor amador. O seu melhor registo era de 2h58.

«Hoje (ndr.: ontem) foi um dia duro. No enatnto, fiquei encantado com a Maratona de Londres e estou muito contente com o meu tempo. Obrigado a todos os espetadores que vieram apoiar os corredores, o ambiente foi incrível», escreveu Button no Twitter.

Motivado pelo seu resultado na Maratona de Londres, o inglês, de 35 anos, campeão mundial em 2009, tem agora cerca de dez dias para se preparar para o Grande Prémio de Espanha. Os resultados têm agora de aparecer na Fórmula 1.

De referir ainda que a esposa de Button, Jessica, também participou na prova, alcançando o tempo de 4h15.

Refira-se que o inglês pratica o triatlo desde 2009, organizando inclusive uma prova com o seu nome, o Jenson Button Trust Triatlo.

 

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos