Kenenisa Bekele contra Mo Farah e Eliud Kipchoge na Maratona de Londres

Kenenisa Bekele é a nova estrela da Maratona de Londres, que já conta com Mo Farah e Eliud Kipchoge, por exemplo. A prova será realizada a 22 de abril, numa das edições mais aguardadas dos últimos anos.

 

«Estou entusiasmado pelo regresso a Londres pelo terceiro ano consecutivo. Adoraria alcançar um melhor resultado em relação a prova do ano passado. Gostaria de vencer a corrida», afirmou o etíope, que alcançou, em 2017, a segunda posição, apenas atrás de Daniel Wanjiru (foi terceiro em 2016).

LEIA TAMBÉM
Bekele culpa parcialmente os revolucionários ténis da Nike por ter falhado em Londres

Kenenisa Bekele sem recorde do mundo e sem vitória em Londres

«A organização da Maratona de Londres reuniu mais uma vez alguns dos melhores corredores da distância, portanto sei que não será fácil alcançar a vitória. Será uma honra correr ao lado de Mo Farah e Eliud Kipchoge, bem como de outros grandes atletas. Tenho treinado muito com o objetivo de chegar bem a Londres, na melhor condição possível.»

De referir que Bekele, Farah e Kipchoge (já venceu a Maratona de Londres em duas ocasiões, em 2015 – 2h04m42 – e em 2016 – 2h03m05) têm, em conjunto, oito medalhas olímpicas de ouro, além de 12 medalhas de ouro em Mundiais, o que demonstra a grandeza dos três corredores.

LEIA TAMBÉM
Duelo Eliud Kipchoge-Mo Farah na Maratona de Londres

Maratona de Londres 2018 com 386.050 inscritos

Já viu o vídeo mais marcante da Maratona de Londres?

 

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos