África com o mesmo argumento na World Marathon Challenge

Worls Marathon Challange,Wardian

Os continentes ficam para trás mas a World Marathon Challenge, que tem como objetivo correr sete Maratonas seguidas em sete continentes (na verdade seis, já que os promotores dividem a América em Norte e Sul), continua com o mesmo argumento desde o seu início: com os triunfos do norte-americano Michael Wardian e da chilena Silvana Camelio. Agora foi em África…

 

Partilhe pelos amigos e faça um LIKE na nossa página. Obrigado!

 

Wardian conseguiu correr em Marraquexe (Marrocos) mais uma vez com um tempo abaixo das 3h00, concretamente 2h45m33. No pódio ficaram ainda Patrick Charlebois, com 2h57m54, e Luke Wigman, 3h01m24. No feminino, Silvana Camelio precisou de 4h10m24 para terminar o trajeto, sendo perseguida de perto por Guoping Xie, com 4h15m50.

Em cinco Maratonas, Wardian e a atleta da América do Sul venceram as cinco, um domínio inesperado no início da prova, já que muitos especialistas aguardavam um evento onde a competitividade fosse mais acentuada.

Silvana Camelio alcança a sua quinta vitória em cinco corridas na World Marathon Challange

A World Marathon Challenge segue agora para Dubai, antes de pousar no seu último local, em Sidney, Austrália.

RESULTADOS

Homens

World Marathon Challenge

Mulheres

World Marathon Challenge

LEIA TAMBÉM:

World Marathon Challenge: começou a volta ao Mundo a correr

Chile acolheu segunda prova da World Marathon Challenge

Wardian e Camelio somam terceira vitória em três na World Marathon Challenge

 Wardian e Camelio vencem etapa europeia da World Marathon Challenge

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos