Adidas pode deixar de patrocinar a IAAF mais cedo do que o previsto

iaa

A Adidas deixará de patrocinar a Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) antes do previsto, revelou esta segunda-feira a BBC. Provavelmente devido aos recentes casos de corrupção e doping…

 

Partilhe pelos amigos e faça um LIKE na nossa página. Obrigado!

 

A Adidas ainda não comentou a notícia da BBC, que revela que a empresa informou o seu objetivo à entidade que rege o atletismo mundial em novembro do ano passado, concretamente após a revelação de um relatório sobre denúncias de doping na Rússia, relatório elaborado por uma comissão independente da Agência Mundial Antidoping (Wada).

A “gota que encheu o copo” foi o recente documento divulgado pela comissão, que provou casos de corrupção na IAAF.

«A Adidas é contra toda e qualquer forma de doping e é por isso que estamos em contacto estreito com a IAAF para saber mais pormenores sobre o processo de reforma em curso sobre esta temática», referiu um porta-voz da marca à agência AFP.

O contrato entre a Adidas e a IAAF foi assinado em 2008 e terminaria em 2019. Além da empresa desportiva, a IAAF tem como patrocinadores principais a Canon, Toyota, Seiko, TDK, TBS e Mondo.

De referir que a IAAF já emitiu um comunicado em que garante estar em contacto com todos os patrocinadores e parceiros de negócio com o intuito de revelar o processo de reforma existente neste momento no interior da entidade.

LEIA TAMBÉM
Agência Antidoping condena «fracasso total» da política da Federação Internacional de Atletismo

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos