Conselhos para a última semana antes da Maratona

Setembro marca a rentrée da Corrida e de algumas das principais provas do ano, como a Maratona de Berlim, no próximo dia 16. Após uma longa preparação, há alguns cuidados a reter na última semana da preparação para o grande dia…

 

A preparação para a Maratona é extensa e exigente. No entanto, muitos corredores amadores acabam por cometer erros precisamente nas últimas semanas de treinos, concretamente nas últimas três, quando as sessões, teoricamente e idealmente, são mais “leves”, já que é quando começamos a baixar o número de quilómetros nos treinos. Tudo com o intuito de não estarmos sobrecarregados no dia da prova.

É verdade que não há uma formula mágica para a última semana de treinos, mas, no domingo anterior ao grande dia, não se deve ultrapassar os 90 minutos de corrida. Depois, e genericamente, o ideal é fazer o seguinte:

Segunda-feira: corrida “leve” de uma hora

Quarta-feira: 8 km, ritmo médio

Sexta-feira: corrida “leve” de 30 minutos + 5 sprint numa reta de 100 metros

Não se deve ainda ignorar a sessões de massagens desportivas e, evidentemente, as imprescindíveis horas de sono, uma alimentação saudável (tendo como base, mas não só, os hidratos de carbono) e a hidratação.

Um último conselho: na noite de sábado para domingo procure relaxar ao máximo, algo muitas vezes complicado de se alcançar devido ao inevitável nervosismo da proximidade da prova.

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos