O treino de Paulo Paula para a Maratona de Viena

Depois de vencer a Meia-maratona de Ílhavo, o atleta olímpico brasileiro Paulo Paula, que representa o Belenenses em Portugal, alcançou um honroso oitavo lugar na Maratona de Viena, que correu pela terceira vez na sua carreira, alcançando a sua melhor marca dos últimos três anos. A mudança de treino foi a grande responsável pelos bons resultados alcançados em território europeu.

 

Para alcançar os bons resultados na Europa, tanto em Portugal como na Áustria, Paulo Paula trabalhou arduamente no Brasil, concretamente em Presidente Prudente, no estado de São Paulo. No entanto, e pela primeira vez na sua carreira, o brasileiro, próximo de fazer 39 anos, resolveu alterar o seu habitual treino, um “risco” calculado muito devido a experiência acumulada ao longo da última década na Maratona.

«Por exemplo, nos últimos 45 dias, corri oito “longos” de 30 km, às sextas-feiras e domingos. Antes, fazia “semi-longos” às sextas-feiras, que começavam no início da preparação com 20 km e terminavam com 28 km, e “longos” aos domingos, que começavam com 25 km e terminavam com 30 km. Desta vez resolvi experimentar uma nova metodologia de treino, sempre a um ritmo de 3m37/km, num percurso bastante variado, com bastante subidas.»

 

LEIA TAMBÉM
Paulo Paula defende que alguns atletas da Maratona estão a brincar com a vida

Paulo Paula pondera terminar carreira no Belenenses

Uma nova metodologia que, durante a semana, ainda continha treinos bidiários, com corridas de 10 e 15 km.

Paulo Paula fez toda a sua preparação de resistência no Brasil
Paulo Paula fez toda a sua preparação de resistência no Brasil

«Hoje não treino com o objetivo de correr a Maratona abaixo das 2h10 devido a minha idade. Na elaboração dos treinos, e nos treinos propriamente ditos, dou uma maior primazia a minha experiência e resistência, alcançadas durante a minha carreira, do que a um trabalho que, teoricamente, deveria ser feito. Por exemplo, o trabalho específico para a Maratona de Viena, como as séries e o fartlek, foram apenas realizados em Portugal, uma semana antes da Meia-maratona de Ílhavo, disputada no dia 10 de abril.»

Meia-maratona de Ílhavo foi mais rápida do que Paulo Paula pensava

Meia-maratona que Paulo Paula venceu com o tempo de 1h05, um excelente resultado tendo em vista estar no início da sua preparação e que serviu principalmente como preparação para a Maratona de Viena (marcada para o dia 22 de abril), ainda mais quando assumiu o primeiro lugar logo no segundo quilómetro, correndo a prova sozinho, algo sempre complicado de gerir.

«Quando cheguei aqui em Portugal, no dia 2 de abril, tinha como objetivo correr a Meia-maratona de Ílhavo num ritmo aproximado do que pretendia correr a Maratona de Viena. Mas, como o percurso de Ílhavo é plano, acabei por correr melhor do que imaginei. Estava realmente em grande forma!»

Não perca na quarta-feira, dia 2 de maio, a segunda parte deste artigo, onde desvendaremos os treinos de Paulo Paula em Portugal. Recorde-se que o atleta que representa o Belenenses no nosso país foi o melhor brasileiro na Maratona dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, quando alcançou o 15.º lugar da classificação geral com o tempo de 2h13m56.

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos