Técnica de Corrida: o teórico e o prático

tecninca

É verdade que, no último artigo, referi que falaria do skipping e de outras técnicas de corrida, mas terei de adiar o assunto por algumas semanas pois considero importante alertar o leitor mais exigente do que encontrei sobre esta temática numa pesquisa recente na internet. Devido ao que estudei, ao que pratiquei e ao que analiso nos treinos, é preciso fazer um pequeno, mas importante alerta sobre o tema… Texto do especialista Marco Pereira.

 

Ajude-nos a crescer, partilhe e faça um LIKE na nossa página. Obrigado! 

 

Nos vários sites pesquisados, encontrei por exemplo um “modelo matemático” descrito por um conjunto de letras que, no seu resultado racial, não passa de palavras, e, no seu resultado final, não passa de informação útil teórica para treinadores, mas raramente destinado para o praticante comum da corrida.

Por exemplo, encontrei concretamente isto:

«Ter uma boa técnica de corrida é um dos melhores caminhos que pode encontrar para minimizar os riscos de lesões e, ao mesmo tempo, melhorar o seu desempenho. Cada corredor tem o seu estilo e não há regras de como o fazer. Mas existe a orientação de como posicionar o corpo para melhorar a sua biomecânica:

Economia de movimento: correr com uma boa postura pode fazer com que você economize energia através do desgaste desnecessário de alguns movimentos. Assim, poderá direcionar toda a sua energia para desempenhar o seu ritmo e marcha;

Diminuição de lesões: quando você corre, o seu pé dianteiro entra em contato com o solo com uma força maior do que o seu peso corporal. Com uma biomecânica mais apurada e um bom calçado, esse impacto é melhor absorvido e há uma distribuição mais eficaz da força de reação ao longo dos músculos, tendões e ligamentos envolvidos, minimizando o surgimento de lesões.

Para corrigir a nossa técnica de corrida é preciso treinar cada vez mais. Além disso, há importantes considerações que podemos fazer. Lembre-se sempre de manter o tronco erguido e relaxado.

Abaixo, seguem dicas para cada parte do corpo:

Cabeça: erguida com o olhar para uma distância de 20 a 30 metros à frente;

Ombros: evite balançá-los junto com os braços e rodá-los muito para frente;

Braços: mantenha os cotovelos em torno de 90º, mantendo os antebraços paralelos ao chão. Os braços movimentam-se sempre com a perna oposta. O balanço dos braços é um movimento pequeno, onde normalmente o cotovelo se desloca da linha do tronco para trás;

Mãos: procure manter as mesmas relaxadas. O polegar descansa sobre o dedo indicador;

Tronco: mantenha o tronco direito e pronto para respirar adequadamente. Lembre-se que o corpo é inclinado para frente e não o tronco. Essa flexão de tronco pode gerar dores lombares;

Quadril: procure manter o mesmo alinhado, evitando oscilações laterais;

Pernas: relaxadas;

Pés: sempre apontando para a frente, seguindo o joelho e o quadril»

Na próxima semana abordarei estes conselhos, considerações teóricas que dificilmente conseguem chegar ao corredor comum em termos práticos.

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

Gostou? Partilhe pelos amigos