Seja um Supercorredor com os Superalimentos

superfoods01

Decidi dedicar o artigo desta semana a algo diferente, mas não menos importante. Vou então falar-vos de superalimentos, mais conhecidos por uns do que por outros. No entanto, podemos dizer que agora têm vindo a ser mais divulgados. O texto é da nutricionista Mariana Pinto.

 

Se gostou deste artigo, seja nosso amigo e partilhe pelos seus amigos no Facebook

 

O que são superalimentos?

São alimentos ricos em fitonutrientes com elevados benefícios para a saúde e são geralmente naturais, inteiros e contêm elevados teores de vitaminas, minerais, aminoácidos, ácidos gordos essenciais e antioxidantes. A incorporação destes alimentos enriquece a nossa alimentação, contribuindo assim para a manutenção da saúde e melhoria do desempenho físico.

Seleccionei quatro superalimentos, que abordarei nas próximas duas semanas:

* Spirulina
* Maca
* Cacau Cru
* Sementes de Cânhamo

SPIRULINA

A SPIRULINA é uma cianobactéria capaz de realizar a fotossíntese. É predominantemente composta por proteínas de elevada qualidade (entre 60 e 70%) e contém todos os aminoácidos essenciais.

Este superalimento é rico em ácidos gordos polinsaturados (ómega 3 e 6) e elevados níveis de minerais (ferro, iodo, zinco, selénio, cobre, manganésio, cloro e cálcio), com uma elevada biodisponibilidade.

Para além disso, é rica em carotenóides e vitaminas do complexo B (tiamina (B1), riboflavina (B2), piridoxina (B6), cobalamina (B12)), vitamina K, fibra e elevados níveis de antioxidantes naturais.

A spirulina é importante para o bom funcionamento do sistema nervoso (tiamina e ácidos gordos essenciais) e ajuda a proteger as células contra os radicais livres (antioxidantes).

Modo de consumo: em pó, pode ser adicionada a sopas, saladas, batidos, sumos, panquecas…

maca
A MACA é uma planta encontrada nos Andes peruanos e pertence à família das Brassicáceas (como o nabo e couves).

É rica em fibra, vitamina C, vitaminas do complexo B e minerais (cálcio, ferro, potássio, manganês e cobre). Por ser rica em vitamina C e ferro, podemos usufruir desta sinergia, uma vez que a vitamina C aumenta a absorção do ferro.

O pó da raiz da maca contém elevados níveis de proteína (mais de 10% do seu peso seco), incluindo sete aminoácidos essenciais. Contém ainda elevados níveis de hidratos de carbono (70% do pó de maca), a principal fonte de energia e ácidos gordos polinsaturados, em particular ácidos linoleico e oleico.

Modo de consumo: cozinhada ou em pó, deve ser adicionada a saladas, leite, sumos, batidos, papas de aveia…

 

Referências bibliográficas:

1. T. Guangwen, Suter PM. Vitamin A, Nutrition, and Health Values of Algae: apirulina, Clorella, and Dunaliella. Journal Of Phramacy and Nutrition Sciences. 2011; 1, 111-118.
2. Mazo VK, Gmoshinkiĭ IV, Zilova IS. Microalgae Spirulina in human nutrition. Vops Pitan. 204; 73(1): 45-53.
3. Ramiro-Puig E, Castell M. Cocoa: antioxidant and immunomodulator. British Journal of Nutrition. 2009, 101, 931-940.
4. Braakhuis A., Hopkins W. Impact of Dietary Antioxidants on Sports Performance. Sports Med. 2015.
5. Kuhnt K, Degen C, Jaudszus A, Jahreis G. Searching for health beneficial n-3 and n-6 fatty acids in plant seeds. Eur. J. Lipid Sci. Technol. 2012, 114, 153–160.
6. Mihoc M, Pop G, Alexa E, Radulov I. Nutritive quality of romanian hemp varieties (Cannabis sativa L.) with special focus on oil and metal contents of seeds. Chemistry Central Journal 2012, 6:122
7. Rostami A, Khalili M, Haghighat N, Eghtesadi S, Shidfar F, Heidari I, Ebrahimpour-Koujan S, Eghtesadi M. High-cocoa polyphenol-rich chocolate improves blood pressure in patients with diabetes and hypertension. ARYA Atheroscler 2015; 11(1): 21-9.
8. Gonzales GF., Gasco M, Lozada I. Role of maca (Lepidium meyenii) consumption on serum interleukin-6 levels and health status in populations living in the Peruvian central Andes over 4000 m of altitude. Plant Foods Hum Nutr. 2013 December ; 68(4): . doi:10.1007/s11130-013-0378-5.
9. Gonzales GF, Gonzales C, Gonzales-Castaneda C. Lepidium meyenii (Maca): A Plant from the Highlands of Peru – form tradition to Science. Forsch Komplementmed 2009; 16:000-000.
10. A. DinP, G. Migliuolo b, L. RastrellP, P. Saturnino, O. Schettino. Chemical composition of Lepidium meyenii. Food Chemistry 49 (1994) 347-349.
11. House JD, Neufeld J, Leson G. Evaluating the Quality of Protein from Hemp Seed and Hemp Seed Products Through the use of the Protein Digestibility-Corrected Amino Acid Score Method. J Agric Food Chem. 2010; 24;58(22):11801-7.

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos