Pressão mental e ansiedade aumenta o risco de lesão

Nos últimos anos temos verificado um boom ao nível do número de atletas e, em consequência disso, do número de provas organizadas por esse mundo fora. Naturalmente, e como o ser humano é insatisfeito por natureza, a procura por provas novas e ou diferentes é também grande. Assim, passar das provas nacionais às internacionais é um pequeno passo…

 

É agora comum vermos grupos de amigos a organizarem-se para participar em provas no estrangeiro. Essas corridas, por serem menos acessíveis ou de maior nome, acabam por ter uma importância maior para os atletas, tornando-se, em muitos casos, nas provas da época.

Em alguns casos, e devido à importância que essas corridas adquirem, a pressão torna-se, desde muito cedo, muito grande. Devido a pressão, e por vezes a meses de distância, aparece a ansiedade e algumas pequenas lesões. Estas lesões surgem, na grande maioria das situações, como resposta física à pressão que a mente cria ou sente. É a somatização das sensações, tornar físico o que não o é.

Quanto maior a pressão e ansiedade, maior a possibilidade de lesões

Nestes casos, é de alta importância realizar um bom trabalho mental de modo a perceber-se qual a origem da ansiedade, da pressão, e trabalhar a causa dos efeitos. Se o atleta ignorar esses sintomas, se começar a achar que faz parte da preparação, com grande probabilidade a pressão vai aumentar – o cansaço acumulado tem destas coisas – e a ansiedade irá para níveis altamente perigosos. Não só o treino deixará de ter efeito, como as lesões tenderão a ser cada vez mais graves, numa espécie de ciclo vicioso.

Quanto maior é o nosso stress emocional, físico e mental, pior serão os nossos desempenhos, mesmo em treino. Assim, os tempos dos treinos serão piores do que podem ser e, olhando para eles, o atleta começa a pensar que não irá conseguir atingir o objetivo proposto. O que aumenta ainda mais a pressão e a ansiedade…

NÃO PERCA NA SEMANA QUE VEM A SEGUNDA PARTE DESTE ARTIGO

CONTATOS:

Jorge Boim
Sports Mental Coach
Telemóvel: 966 856 843
Email: jorgeboim@sportshypnocoach.pt
Site
Facebook

Veja aqui mais artigos de Jorge Boim

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos