É urgente mudar os hábitos alimentares

No primeiro dia d´«A Semana “É necessário fazer qualquer coisa”», Gabriel Mateus, Mestre em Nutrição Clínica, apresenta números concretos que comprovam a necessidade urgente de uma alteração dos nossos hábitos alimentares, uma alteração nada fácil de concretizar devido a profunda mudança cultural que exige.

 

O estilo de vida está hoje na ordem do dia. Somos cada vez mais conscientes do que comemos e da importância do exercício físico para a saúde, mas não necessariamente colocamos em prática esses conhecimentos. Em Portugal ainda nos deparamos com problemas de excesso de peso, falta de atividade, excessos alimentares (em especial produtos de origem animal e açúcares simples), quando por outro lado não consumimos suficientes produtos vegetais como hortaliças, frutos e leguminosas.

De acordo com os resultados recentes do Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física, os portugueses estão a consumir em média 159 g de carne vermelha por dia, o que nos coloca numa situação de risco para problemas como o cancro colorretal, sendo que o consumo diário de 100 g de carne vermelha está associado a um risco 17% superior de cancro do colon1.

Por outro lado, mais de metade da população não cumpre a recomendação da Organização Mundial da Saúde de consumir mais de 400 g/dia de fruta e produtos hortícolas (equivalente a 5 ou mais porções diárias). No caso das crianças, esse valor é ainda mais elevado, com 69% a não atingir a quantidade mínima recomendada.

A ingestão de micronutrientes é também em muitos casos deficiente, sendo que uma parte significativa da população nacional não atinge os valores diários de referência de vitamina D (95%), fibra (76%), vitamina E (61%), magnésio (54%), cálcio (42%), folato (40%) e potássio (37%).

Doenças não-transmissíveis são a principal causa de morte no Mundo

Além disso, o consumo de açúcares simples em Portugal é em média 90 g/dia, sendo que crianças com menos de 10 anos consomem 100 g/dia e adolescentes consomem 99 g/dia. A OMS recomenda que não se ultrapasse os 50 g de açúcares simples por dia, sugerindo mesmo que o seu consumo seja inferior a 25 g por dia2.

Relativamente à atividade física, apenas 36% dos jovens (15-21 anos) e 27% dos adultos são considerados fisicamente ativos, cumprindo com as recomendações atuais para a prática de atividade física promotora de saúde.

 

O exercício físico faz parte da alteração que devemos ter dos nossos hábitos diários
O exercício físico faz parte da alteração que devemos ter dos nossos hábitos diários

 

Este retrato dos hábitos alimentares e de estilo de vida dos portugueses tem uma especial importância quando constatamos que hoje a principal causa de morte em todo o mundo são as doenças não-transmissíveis, representando 71% do número de mortes ocorridas3, mas que, por outro lado, cerca de 78% de todas essas doenças crónicas poderiam ser evitadas se não fumássemos, fizéssemos uma dieta saudável (de base vegetal), fizéssemos exercício físico regular e mantivéssemos um peso corporal saudável4,5.

Do ponto de vista da alimentação, está hoje bastante bem estabelecido que um padrão alimentar que privilegie os alimentos de origem vegetal parece ser aquele que mais contribui para uma diminuição do risco de doenças crónicas como as doenças cardiovasculares, diabetes e alguns tipos de cancro, além de estarem associadas a uma maior longevidade6–13.

 

CONTATOS

Gabriel Mateus
Mestre em Nutrição Clínica

Gabriel Mateus é o fundador e presidente da Associação Projeto Safira. O Projeto Safira é uma Associação sem fins lucrativos, fundado em 2013, que presta apoio a doentes oncológicos e promove ações de esclarecimento sobre a prevenção do cancro e promoção da saúde. No âmbito das atividades promovidas pela associação, Gabriel Mateus criou um curso teórico-prático sobre o papel da alimentação na prevenção do cancro e de outras doenças crónicas com o nome “Fazer da Cozinha uma Farmácia”

Email: gabriel@projetosafira.org

Facebook

 

REFERÊNCIAS

1. Chan DSM, Lau R, Aune D, Vieira R, Greenwood DC, Kampman E, et al. Red and Processed Meat and Colorectal Cancer Incidence: Meta-Analysis of Prospective Studies. PLoS ONE [Internet]. 6 de Junho de 2011 [citado 10 de Janeiro de 2016];6(6). Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3108955/

2. WHO. Guideline: sugars intake for adults and children. [Internet]. Geneva: World Health Organization; 2015 [citado 4 de Outubro de 2017]. Disponível em: http://public.eblib.com/choice/publicfullrecord.aspx?p=2033879

3. Wang H, Naghavi M, Allen C, Barber RM, Bhutta ZA, Carter A, et al. Global, regional, and national life expectancy, all-cause mortality, and cause-specific mortality for 249 causes of death, 1980–2015: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2015. The Lancet. 8 de Outubro de 2016;388(10053):1459–544. 

4. Ford ES, Bergmann MM, Kröger J, Schienkiewitz A, Weikert C, Boeing H. Healthy living is the best revenge: findings from the European Prospective Investigation Into Cancer and Nutrition-Potsdam study. Arch Intern Med. 10 de Agosto de 2009;169(15):1355–62. 

5. Ford ES, Bergmann MM, Boeing H, Li C, Capewell S. Healthy lifestyle behaviors and all-cause mortality among adults in the United States. Prev Med. Julho de 2012;55(1):23–7. 

6. Craig WJ, Mangels AR, American Dietetic Association. Position of the American Dietetic Association: vegetarian diets. J Am Diet Assoc. Julho de 2009;109(7):1266–82. 

7. Dinu M, Abbate R, Gensini GF, Casini A, Sofi F. Vegetarian, vegan diets and multiple health outcomes: a systematic review with meta-analysis of observational studies. Crit Rev Food Sci Nutr. 6 de Fevereiro de 2016;0(ja):00–00. 

8. Hever J. Plant-Based Diets: A Physician’s Guide. Perm J [Internet]. 6 de Julho de 2016 [citado 17 de Julho de 2016]; Disponível em: http://www.thepermanentejournal.org/issues/2016/summer/6192-diet.html

9. Key TJ, Appleby PN, Crowe FL, Bradbury KE, Schmidt JA, Travis RC. Cancer in British vegetarians: updated analyses of 4998 incident cancers in a cohort of 32,491 meat eaters, 8612 fish eaters, 18,298 vegetarians, and 2246 vegans. Am J Clin Nutr. 1 de Julho de 2014;ajcn.071266. 

10. Le LT, Sabaté J. Beyond Meatless, the Health Effects of Vegan Diets: Findings from the Adventist Cohorts. Nutrients. 27 de Maio de 2014;6(6):2131–47. 

11. Orlich MJ, Singh PN, Sabaté J, Fan J, Sveen L, Bennett H, et al. Vegetarian Dietary Patterns and the Risk of Colorectal Cancers. JAMA Intern Med. 1 de Maio de 2015;175(5):767–76. 

12. Orlich MJ, Singh P, Sabaté J, et al. VEgetarian dietary patterns and mortality in adventist health study 2. JAMA Intern Med. 8 de Julho de 2013;173(13):1230–8. 

13. Tantamango-Bartley Y, Jaceldo-Siegl K, Fan J, Fraser G. Vegetarian Diets and the Incidence of Cancer in a Low-risk Population. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 1 de Fevereiro de 2013;22(2):286–94. 

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

Gostou? Partilhe pelos amigos