Queremos jovens atletas profissionais ou apenas jovens a brincar de Desporto?

A pressão competitiva sobre os mais novos é hoje uma triste realidade no Desporto em geral, prejudicando o seu crescimento social futuro. Jorge Boim, Sports Mental Coach da Hypno Coaching, aborda este importante tema na sua crónica semanal.

 

Nos últimos anos, o número de pessoas a praticar desporto aumentou quase exponencialmente. Com o aumento dos atletas, veio também o aumento da competitividade, mesmo quando esta é “apenas” connosco próprios ou com o nosso grupo de amigos. As pessoas passaram a treinar em vez de só praticar desporto, passaram a investir mais no desporto, seja em tempo como em dinheiro.

Naturalmente, esta alteração no tipo de vida teve consequências nas nossas crianças que, mais cedo do que mais tarde, despertaram para o desporto e para a realização de “competição”. Apesar das aspas, já há muitos jovens atletas que encaram o desporto como competição, sem aspas, com tudo o que isso acarreta em termos de situações mentais e emocionais a trabalhar.

Se o Mental Coaching é cada vez mais encarado como algo importante ao nível dos atletas adultos, ainda não dedicamos a mesma importância ao Mental Coaching para jovens. E isso deve-se à perspetiva adulta do desporto jovem.

As motivações dos jovens para a prática desportiva são muitas e variadas, mas a grande maioria refere que estão relacionadas com o convívio com amigos e a diversão, o prazer que sentem no que fazem.

Jovens pressionados pelos adultos

Apesar disso, muitos são os casos em que os jovens se sentem pressionados e tentam comportar-se como atletas profissionais, que deixam de sentir o prazer do caminho para se preocuparem apenas com o resultado. 

Estas situações podem ter diferentes origens e vários desfechos para a criança ou jovem. E poucos são os desfechos positivos. Normalmente, esta passagem do prazer de fazer desporto para a competição tem origem nas referências adultas que o jovem tem. Podemos estar a falar da pressão que os pais ou treinadores colocam nos atletas, quando “incentivam” demasiado ao esforço – é incrível como os pais e treinadores gritam com os jovens para estes darem mais um pouco de si, para chegarem primeiro ou mais depressa à meta, para marcarem mais um golo -, ou como não reconhecem o esforço se o atleta não vence.

 

O Desporto deve ter como base o prazer da atividade
O Desporto deve ter como base o prazer da atividade

 

Nestes casos, e porque nem todos podem vencer, ou o atleta vence e vê reconhecido o seu valor – até não vencer, claro -, ou o atleta não vence e a sua autoestima e autoconfiança vêm por aí abaixo, criando bloqueios pessoais e emocionais que podem levar, numa primeira fase, à rejeição do desporto e, numa fase mais adulta, a outros problemas mais graves.

Uma outra situação comum em jovens atletas é quando estes querem atingir as expectativas que acham que os pais ou treinadores têm em relação a eles. Neste tipo de casos, já há uma questão emocional que o jovem deve trabalhar e resolver, pois estaremos a falar de algum tipo de carência. É por isso, para colmatar essa carência, que o jovem procura constantemente esse reconhecimento externo a si.

No entanto, mesmo parecendo um paradoxo, por mais reconhecimento que os pais ou treinadores tenham em relação ao jovem nesta área, nunca será suficiente a forma como é reconhecido, ou porque o entusiasmo não foi suficientemente grande, o carinho suficientemente demorado ou outra qualquer razão inconsciente.

Na próxima semana continuarei a abordar este tema. 

 

CONTATOS:

Jorge Boim
Sports Mental Coach
Telemóvel: 966 856 843
Email: jorgeboim@sportshypnocoach.pt
Site
Facebook

Veja aqui mais artigos de Jorge Boim

 

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

Gostou? Partilhe pelos amigos