O glúten, a lactose, os alimentos saudáveis (e os menos)…

«Barriga Fit», da nutricionista Izabel de Paula e editado pela Esfera dos Livros, é «um diário de saúde e de boa forma. No primeiro dia d´«A Semana “começar uma nova vida durante o Verão”», abordamos o glúten, a lactose, os alimentos saudáveis e os não tantos e ainda oferecemos algumas dicas a seguir com urgência…

 

OS FAMOSOS GLÚTEN E LACTOSE/LACTICÍNIOS

O glúten é a famosa proteína vegetal que não só é problemática para as pessoas com doença celíaca como, infelizmente, também o é para as pessoas com sensibilidade ao glúten. O aumento da doença celíaca coincide com o aumento do consumo de trigo, devido à sua grande oferta e baixo custo.

As mudanças dos macronutrientes eliminaram a necessidade de proceder à fermentação antes de cozer o pão o que, provavelmente, aumentou a prevalência de doença celíaca e a sensibilidade ao glúten. O glúten diminui a resposta anti‑inflamatória do organismo e aumenta a permeabilidade intestinal. Opte, assim, por alimentos naturalmente sem glúten e leia atentamente os rótulos. Não lhe peço que vire o rato de biblioteca do seu supermercado, mas comece a dar mais atenção aos rótulos dos alimentos que compra.

Barriga Fit

 

A lactose é o açúcar natural presente no leite de origem animal. Todos os lacticínios estão muito enraizados nos nossos hábitos alimentares diários. No entanto, infelizmente, não os consideramos alimentos assim tão perfeitos, uma vez que no processo de fabrico são utilizadas substâncias químicas e hormonas que nos prejudicam. 

Mesmo o famoso leite de soja também já passou a ser feito com grãos geneticamente modificados.

Mas, afinal, o leite faz mal ou não

O consumo de leite aumenta os níveis de IGF‑1 (a hormona do crescimento) e esse aumento poderá aumentar o risco de cancro, aumentar a estatura e levar a uma puberdade precoce. O leite pode também
aumentar a incidência de acne, doenças autoimunes, diabetes tipo 1, doença de Crohn, artrite reumatoide e lesões articulares.

A maior parte dos mamíferos consegue digerir bem a lactose, graças à presença da enzima lactase durante a infância. A lactose é, assim, facilmente repartida em açúcares, glucose e galactose. No 
entanto, após os 3 ou 5 anos de idade, na maioria dos casos, apresentamos hipolactasia (diminuição ou ausência da produção da enzima lactase) perdendo, por isso, a capacidade de repartir esta enzima e, posteriormente, de a absorver. Como não perdemos a capacidade de repartir e de absorver os açúcares da lactase, estes vão para o cólon e as bactérias vão fermentá‑los. Isto pode provocar vários sintomas indesejáveis:

•  Flatulência
•  Inchaço
•  Dor abdominal
•  Obstipação
•  Cólicas
•  Diarreia
•  Distensão abdominal

A hipolactasia afeta muitos adultos. Aconselha‑se, por isso, a ingestão de outro tipo de leites, como o leite de frutos secos, de arroz, de aveia ou de cânhamo. Aconselha‑se, igualmente, substituir o leite por iogurtes ou kefir.

 

ALIMENTOS FAVORÁVEIS, DESFAVORÁVEIS, ANTI‑INFLAMATÓRIOS E ANTIOBESIDADE

 

No mundo ocidental, comemos demasiados alimentos errados, às horas erradas, e não nos apercebemos de que estamos a perder cada vez mais vitalidade, energia e saúde.

Os alimentos estão cada vez mais processados, mais calóricos e provocam aumento abdominal, inflamação, desconforto e excesso de flatulência.

Para ajudá‑la a ter uma barriga fit queremos que aprenda a ingerir mais alimentos favoráveis, antiobesidade e anti‑inflamatórios, para que a sua saúde e o seu bem‑estar aumentem.

Barriga Fit

barriga fit1

 

Esteja atenta aos sinais da sua barriga/intestinos e opte por alternativas saudáveis. Uma alimentação consciente e intuitiva é uma mudança para a vida.

A nutrição nunca deve ser protocolada. Cada pessoa é única e deverá ser tratada como tal. A sua história clínica, os seus hábitos diários, os seus medos e vícios, as suas relações emocionais, as suas preferências e o seu estilo de vida são diferentes e precisam de atenção especial e individualizada. Uma avaliação individual é muito importante.

Os hábitos mudam‑se com hábitos novos e, quando mudar de verdade, nunca mais quererá fazer “mal” ao seu corpo. O objetivo de uma consulta de nutrição é sempre conhecer o organismo e encontrar a dieta e os alimentos mais saudáveis e adequados a cada pessoa. 

Não há dietas únicas, há dietas à medida de cada um. 

 

BARRIGA FIT: DICAS RÁPIDAS

 

•  Pese‑se sem medos (1x mês)
•  Meça o local de maior volume abdominal, em jejum (1x mês)
•  Arranje um diário onde possa escrever o que comeu, o que sentiu, o seu humor, a sua saúde intestinal.
•  Tire 15‑20 minutos do seu dia só para si (dance, ria, leia, cante, faça uma massagem Barriga Fit®).
•  Tenha consciência das suas escolhas alimentares.
•  Compre, prepare e consuma alimentos saudáveis.
•  De preferência consuma alimentos biológicos, no estado mais natural possível
•  Prefira alimentos da época
•  Prepare refeições simples
•  Faça entre 3‑5 refeições por dia
•  Nunca salte uma refeição
•  Mude as suas rotinas e os seus focos, caso sinta compulsões alimentares
•  Esteja sempre atenta aos sinais do seu corpo
•  Introduza novos alimentos
•  Não há pressa: coma devagar e saboreie os alimentos (mastigue os líquidos e beba os sólidos)
•  Evite beber nas refeições (aumenta o pH do estômago e os alimentos são mal digeridos)
•  Beba 30 minutos antes de cada refeição
•  Em SOS: coma um quadrado (ou dois, vá…) de chocolate com um mínimo de 70% de cacau
•  Durma, pela sua barriga!
•  Acredite em si

Criar novos hábitos saudáveis para o resto da vida é possível. Não estou a dizer que nunca mais vai cometer um excesso. É muito provável que vá. Aliás, vamos todos. Não vai ter que negar, o resto da vida, uma cerveja geladinha num dia férias, um copo de vinho tinto num jantar com amigos ou uma fatia de bolo de aniversário. Não é isso que peço. O que peço é que aprenda, com sensatez, a escolher os alimentos certos e a cortar relações com uma vida de maus hábitos constantes.

É também muito importante identificar as suas fontes de stress e procurar meios para as combater. Se sentir uma vontade escravizante de cometer um excesso, procure relaxar e descomprimir. Levante‑se, vá dar uma volta, lave os dentes (diminui a compulsão), beba uns bons copos de água (diminui a sensação de estômago vazio), faça um chá quente (conforta o estômago), oiça música, leia, telefone a uma amiga e perca‑se a tagarelar. Não descontraia comendo e bebendo o que não deve.

Despeço‑me com um pequeno “mimo”, uma dieta líquida desintoxicante que poderá fazer uma vez por mês para limpar o organismo, de preferência durante o fim de semana quando tem mais tempo para
descansar. Qualquer dúvida, ou se quiser fazer uma primeira avaliação gratuita, aguardo o seu contacto. Até lá, aconselho‑a a que comece o mais cedo possível a mudar os padrões errados.

Acredite que acredito em si.

Com força de vontade para a mudança?

Com força de vontade para apresentar ao mundo a sua nova barriga?

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos