A força explosiva no treino da corrida

Para além da preparação e treino, da necessária resistência para completar provas longas, é cada vez mais importante preparar também a capacidade física em termos de força explosiva. Vencedor do desafio EPIC5, José Massuça revela que ela é fundamental nas provas de ultra endurance, em especial nas disciplinas multidesportivas e mais ainda quando praticadas fora-de-estrada.

 

«É fundamental incluir exercícios de potência no alinhamento do treino para, através desta preparação, conseguir obter o essencial equilíbrio entre força e resistência, o que fará com que eu consiga enfrentar esforços mais intensos e durante mais tempo, sendo que, igualmente, me permitirá estar mais sereno psicologicamente para fazer frente a obstáculos inesperados em que o uso da força é essencial, tanto nos percursos de estrada como no Trail, Swim-run ou BTT», revela José Massuça.

Com a ajuda do Fitness Hutt, o vencedor do EPIC5 apresenta um conjunto de exercícios a que recorre frequentemente, exercícios que poderão ser integrados num plano de treino de força complementar ao treino de resistência.

A preparação física de José Massuça para o EPIC5 foi criada e realizada por Amâncio Santos.

Parte fundamental do treino: 12 repetições para cada exercício, 3 séries

BURPEE PULL UPS

 

 

 

BACK SQUAT 30KG

 

SQUAT NO BOSU COM LANÇAMENTO DE BOLA MEDICINAL 6KG

 

Publicamos hoje os três primeiros exercícios desta série. Amanhã, sexta-feira, dia 13 de abril, publicaremos a segunda parte. 

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos