Ai quanto custa recomeçar os treinos…

recuper

Seja devido a uma lesão, por razões profissionais ou por pura preguiça, quem corre sabe as dificuldades que é recomeçar com os treinos, o quanto custa calçar os ténis e abandonar o sofá. O especialista Belino Coelho, diretor técnico da Elite Assessoria Esportiva, do Brasil, responsável pelo treino e orientação de mais de 150 atletas, aborda o tema nesta última semana do ano, período em que muitos corredores anónimos decidem “descansar” devido as festividades.

 

Partilhe pelos amigos e faça um LIKE na nossa página. Obrigado! 

 

Iniciar é difícil, mas recomeçar é mais difícil ainda. Por que?

Iniciar uma atividade física, especificamente a corrida, não é nada fácil, principalmente se a pessoa em questão é uma sedentária. Pode ter certeza que muitos motivos surgirão para que este indivíduo não comece a correr e, acredite, são esses mesmos motivos  que deixarão a consciência dessa pessoa tranquila, sem culpa e com a sensação de que não perdeu nada.

Você já sentiu falta daquilo que não conhece?  É uma reposta óbvia: claro que não!

É por isso que o sedentário não se sente pressionado ou com a consciência pesada por não ter feito a atividade física ou a corrida. Ele ainda não conhece os efeitos da endorfina e das catecolaminas (adrenalina e noradrenalina),  responsáveis pela  sensação de bem estar, de euforia e prazer que a corrida proporciona, algo que é difícil transcrever em palavras. Só quem corre vai entender o que eu quero dizer aqui!

Mas agora o jogo virou. Esse sedentário mudou o seu estilo de vida, tornou-se um atleta amador de corrida. Corre cinco vezes por semana, emagreceu, corre provas de 5 km, 10 km, Meia-maratona e até Maratona. Porém, por causa do trabalho e viagens profissionais, por exemplo, acaba deixando a corrida como segundo plano,  a qual ele o faz esporadicamente. O fato de não conseguir correr o deixa com a consciência pesada, mais cansado, irritado e de mal humor. Tudo porque a corrida tornou-se um hábito na vida desse atleta amador, uma válvula de escape para as preocupações, estresse e ansiedade.

Como tudo na vida é uma fase que passa, a vida desse atleta amador volta ao normal e finalmente ele consegue o que tanto queria: tempo para voltar a se dedicar as corridas. No entanto, ele não leva em consideração o tempo que ficou sem poder correr  e é durante o seu retorno que vai perceber que a sua condição física já não é a mesma. Infelizmente, um dos princípios que rege o treinamento é o “Princípio da Reversibilidade”:

Toda condição física adquirida será perdida caso haja a interrupção do estímulo de forma proporcional ao tempo da interrupção.”

Meio inconscientemente, quando esse atleta retorna aos treinos, a tentativa é sempre de correr no ritmo próximo ou igual o de antes da interrupção, sendo quase que impossível a não comparação entre o ritmo e distância percorrida atual com a antiga. Durante esse treino ele se sente pesado, a respiração fica ofegante mais rápido, faz força para correr, tem dificuldade de manter a coordenação… Resumidamente: sofre para terminar o treino e ainda percebe que a recuperação é mais lenta e demorada. Com isso vem a frustação, o desânimo  e a motivação para voltar a correr diminui. Nas próximas tentativas a cabeça começa a trabalhar no sentindo inverso, procurando motivos para confortar a ideia de não ir correr, principalmente quando se percebe que houve uma perda grande da sua condição se comparada com o passado. Esse nosso atleta está a um passo de desistir das corridas…

Mas isso não vai acontecer porque finalmente ele encontra  um treinador da área que o orienta da seguinte forma:

  • Trabalhe a sua mente no sentido de esquecer, de apagar a lembrança daquela condição que você tinha adquirido lá atrás. Conforme-se com a sua atual condição;
  • Faça uma nova avaliação física para ter um parâmetro da sua condição atual, no qual você vai se basear para retornar aos treinos;
  • Anote os resultados desse retorno e depois de algum tempo de treino compare-os. Você perceberá que está evoluindo e isso vai trazendo novamente a motivação e a vontade de correr;
  • O volume de treino nesse recomeço deverá ser menor, assim como a intensidade deverá ser mais baixa;
  • Esqueça, por enquanto, a participação em competições a curto prazo;
  • Escolha percursos que sejam de fácil execução, que não exijam muito da sua condição, pelo menos nesse início de recomeço;
  • Procure a companhia de outros atletas para realizar os seus treinos. Certifique-se que essas companhias estejam com a condição física semelhante a sua e combine os dias e horários para treinarem para que você possa se comprometer com os treinos;
  • Tenha paciência, força de vontade e evolua as cargas de treinos (volume e intensidade) de forma gradativa e sem pressa.

Nesse texto usei o exemplo do trabalho como o principal motivo para a  interrupção dos treinos de corrida, mas poderia ter sido uma lesão, doença ou outros fatores. O mais importante de tudo é não desistir e seguir frente. O recomeçar só é mais difícil por causa da memória existente. Ludibriar essa memória tornará o caminho do recomeço mais fácil.

 

  1. Este texto é escrito em português do Brasil
  2. Contatos:
    Mailbelino.coelho@eliteesportiva.com.br
    Telefone: +55 11 5518-3409
Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos