Os superalimentos para a corrida segundo Mafalda Rodrigues de Almeida

Autora de «Superalimentos – Refeições com mais Vida», editado pela Chá das Cinco, Mafalda Rodrigues de Almeida revela nesta entrevista a importância dos superalimentos para a corrida.

 

Concretamente para os corredores, quais são os melhores superalimentos? E porque?
Nos desportistas em geral, o uso de superalimentos é importante, quer para dar energia e estabilidade para terem motivação para o esforço, quer para prevenirem fadiga muscular, degeneração osteoarticular e envelhecimento precoce devido ao excesso de oxidação.

Por isso, diria que os superalimentos mais importantes nestes casos são:

– A maca, uma planta originária dos Andes da Bolívia e do Peru, tendo sido muito usada pelos Incas devido às suas propriedades adaptogenicas, que conseguiam nutrir e equilibrar o sistema endócrino do organismo, ajudando a lidar com situações de ansiedade e stress. 

– A curcuma, que tem atividade anti-inflamatória a nível do sistema osteoarticular. Os curcuminoides presentes nesta raiz provaram ajudar a proteger o organismo contra a artrite reumatóide e osteoartrite.

– As sementes de cânhamo, com cerca de 30% de gordura, sobretudo sob a forma de ácido linoleico, alfa-linolenico e gama linolenico. São também muito ricas em proteínas, cerca de 25%, um valor muito acima da média das sementes de uma forma geral. Além de conterem proteínas de elevada digestibilidade, a semente de cânhamo contém todos os aminoácidos essenciais, vitamina E, fósforo, magnésio, sódio, potássio, enxofre, cálcio, ferro e zinco, essenciais para uma boa recuperação muscular.

Não é igual comer um punhado de bagas de goji
numa corrida ou ingerir um gel de hidratos de carbono

Qual a importância dos superalimentos para os corredores de longa distância, onde a fadiga é intensa?
No caso dos corredores, os superalimentos devem ser incluídos na alimentação como para qualquer outra pessoa. Simplesmente podemos pensar de forma um pouco mais consciente como podemos usá-los no sentido de evitar essa fadiga. Eu diria que a quinoa, por exemplo, é o “Superalimento” de eleição como preparação física para um corredor que queira prevenir a fadiga e distensões musculares. Trata-se de uma fonte de proteína vegetal completa, contendo todos os aminoácidos essenciais para o organismo, incluindo a Lisina, responsável pela restauração dos tecidos, e a Metionina, importante para a desintoxicação hepática, geralmente encontrados em fontes de proteína animal.
Contém hidratos de carbono de baixo índice glicémico que ajudam a promover a libertação de energia de forma mais lenta e a sensação de saciedade. Contém ácidos gordos ómega 3 e 6, que são importantes anti-inflamatórios e protectores cardiovasculares. O Ómega 3 desempenha ainda um importante papel como antidepressivo e como protetor osteoarticular. E ainda fornece magnésio, que ajuda a controlar os impulsos nervosos e a estabilizar situações de irritabilidade, manganês, essencial para um crescimento saudável, e potássio, essencial para o controlo da tensão arterial e distensão muscular.

Mafalda Rodrigues de Almeida e os superalimentos para a corrida
Mafalda Rodrigues de Almeida defende que a quinoa é um dos superalimentos para a corrida

Os géis e as bebidas isotónicas podem ser compensadas por superalimentos, por exemplo?
Diretamente, não! Não é igual comer um punhado de bagas de goji numa corrida ou ingerir um gel de hidratos de carbono. A água de coco, por exemplo, substitui na perfeição uma bebida isotónica, mas não é considerada um superalimento porque o alimento em si é o coco. Para se substituir géis e bebidas isotónicas que são altamente processados é preciso consumir derivados de alimentos e é aí que entra a parte das receitas. Um bom exemplo de um substituo energético para os géis é uma bolinha de goji com açaí, uma das receitas do meu livro.

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

Gostou? Partilhe pelos amigos