João Oliveira alcançou a terceira vitória seguida nos 285 km da Ultramilano-Sanremo

Quatro edições, três vitórias seguidas. A Ultramilano-Sanremo, com 285 km, tem um nome, e é português: João Oliveira. Este ano, foi inclusive “obrigado” a fazer um “repto” pessoal com os atletas da estafeta para encontrar um desafio motivacional na prova. Este é o primeiro dia d´«A Semana do tricampeão João Oliveira».

 

Surpreso com a vitória, a terceira seguida?
Sem dúvida que fiquei surpreso, já que este ano estaria presente o primeiro campeão e outros atletas com currículos invejáveis de conquistas. Fiquei ainda mais surpreendido por seguir logo desde o início na liderança da prova a solo, sendo acompanhando atá aos 40 km pelo argentino Pablo Barnes, que depois acabou por desistir da perseguição. Desde então fiquei isolado na liderança.

João Oliveira é uma referência em Itália

O que tem a Ultramilano-Sanremo de especial?
A Ultra Milano-Sanremo pouco ou nada tem de especial, além da distância que me cativa e a oportunidade de competir com atletas de topo de outras nações.
Mas podemos dizer também que a UltraMilano-Sanremo é bela, há uma paisagem muito bonita, corremos ao longo de 50 km ao lado de um canal antes de “entrarmos” na estrada nacional. Não posso deixar também de reverenciar a população local onde passa a prova, que anseia pela nossa chegada e muitos se equipam para correr ao nosso lado durante uns 10 km. É muito bom esse apoio!.

LEIA TAMBÉM
Cracco: «Pedi pedi para tirar uma fotografia com o João Oliveira»

Já correu a prova no passado. Esse fator é essencial para os seus consecutivos triunfos?
Este ano foi a minha terceira vitória consecutiva na UltraMilano-Sanremo, alcançando o desejado “TRI”. O que tornou a prova deste ano um desafio foi a promessa que fiz à organização, que conseguiria concluir os 285 km em 28h30.
Em 2015 alcancei 31h14, baixando o recorde da prova, que antes pertencia ao norte-americano Michelle Garglia, com o tempo de 33h57.
Em 2016 baixei ainda mais o recorde, concretamente para 29h09.
Este ano fiz 31h28. Não correu bem, estava muito calor e tive uma má deposição. Vomitei muitas vezes o que comi e, como o decorrer da corrida, fui enfraquecendo.

Joao Oliveira – Il vincitore di UMS 17

Ora fermatevi e guardate questo video, TUTTO, dal primo secondo all'ultimo.Riassunto in 57 secondi troverete le 30 ore di gara di un fenomeno. Il fenomeno si chiama JOAO e di cognome fa OLIVEIRA.Dentro c'è tutta la sua Ultramilano – Sanremo, da acqua a acqua, dalla Darsena a Sanremo.Ok, qualcuno ci può dire come si fa a non emozionarsi?

Publicado por Ultramilano-Sanremo em Terça-feira, 2 de Maio de 2017

Mas a estratégia utilizada este ano foi a mesma dos anos anteriores?
A estratégia foi boa, mas há sempre obstáculos que não podemos prever, por mais que estejamos preparados. A estratégia era manter um ritmo confortável para alcançar o meu objetivo, as 28h30 nos 285 km.

LEIA TAMBÉM
João Oliveira: «Por vezes era a própria dor que nos mantinha acordados horas e horas a fio…»

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos