João Montez: «A dificuldade tem sido mesmo diminuir o ritmo a que corro»

Com horários complicados de gerir, o apresentador João Montez admite que o factor “tempo” dificulta a sua preparação para a Maratona do Porto, que, neste momento, tem como uma das principais dificuldades diminuir o ritmo a que corre.

 

Como tem decorrido os treinos? Tem respeitado à letra o programa do seu treinador?
Têm corrido muito bem, sendo que a única dificuldade encontrada ao longo destes últimos meses acaba por ser a disponibilidade diária. Devido à minha área profissional, muitas vezes sou condicionado no que toca ao factor “tempo”. Tenho tentado seguir à risca o plano traçado pelo Fábio Soares, o meu preparador físico, embora nem sempre seja fácil. Mas, em conjunto, temos conseguido contornar esse obstáculo.


Poderia descrever os treinos? Quantos km corre por semana? Quantas vezes corre? Ritmos? Etc
.

O treino que faço, neste momento, é semanal. Treino todos os dias, à exceção de um dia, reservado ao descanso necessário. Depende sempre de semana para semana, mas, até à data, o plano (semanal) traçado passa por corrida contínua, corrida intervalada (com tempos) e corrida de longa distância a uma velocidade maior. A par desta diferenciação, acabo por fazer treino de força muscular, no ginásio, e reservo um dia por semana para ir até à piscina, com o objetivo de relaxamento muscular activo. Diariamente tenho corrido entre 10 a 15 km. A nível de ritmos, posso dizer que tenho oscilado entre os 4m40 e os 5m20. Por vezes, ritmos ainda demasiado rápidos para quem pretende fazer uma Maratona. A dificuldade tem sido abrandar, de modo a terminar a prova, sem lesões. 

João Montez aproveita todo o tempo disponível para treinar

 

Até ao momento, o que mais custou fazer?
A dificuldade tem sido mesmo diminuir o ritmo a que corro. Tem sido um obstáculo constante, mas conseguirei com o tempo e o treino que ainda tenho pela frente. Até à data, o mais difícil foi alcançar os 15 km diários, mas tornou-se algo habitual nas últimas semanas. 

João Montez ainda não pensa no “Muro”

Onde costuma correr? E costuma correr sempre no mesmo local ou procura variar?
Costumo correr junto ao rio Tejo. No entanto, ultimamente, tenho procurado variar. Os locais de eleição têm sido o Parque das Nações, as Docas, o Estádio do Jamor e o Parque Eduardo VII, devido às subidas e descidas mais acentuadas que este último tem. 

Como encara o afamado “Muro”?
Tento não pensar. Já ouvi bastantes teorias. Já me deram, também, diferentes conselhos, mas ainda tenho algum tempo para me preparar até à prova. Se conseguir fazer a distância que me estipularam para uns dias antes, já saberei, nessa altura, se o afamado “muro” será ou não um obstáculo.

Já estudou o percurso?
Já dei uma vista de olhos. Sei qual o seu trajeto e sei também que se compõe de algumas subidas e descidas que poderão dificultar o percurso. Vamos ver como corre…!

Acredita que esta será a primeira de muitas Maratonas?
Na minha opinião será uma daquelas coisas que só se faz uma vez na vida. Acredito que esta Maratona servirá para a exponenciar as vontades que tenho de participar, posteriormente, em corridas de menor distância e tentar bater os meus próprios tempos.

LEIA TAMBÉM

João Montez: «Quando ouço a palavra Maratona sinto alguns receios»

João Montez: «Posso dizer que a paixão pela corrida tem vindo a aumentar»

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

Gostou? Partilhe pelos amigos