Inês Marques: «Gostaria que surgissem apoios para que pudesse sonhar com voos mais altos»

Com um excecional quinto lugar no OCC (56 km/D+ 3500m), Inês Marques foi uma das surpresas no “Parque de Diversões do Trail Mundial”. A portuguesa, que já está qualificada para o Mundial de Trail do próximo ano, revela os segredos da sua prova e admite que este foi o seu melhor resultado até hoje. Estamos no segundo dia d´”A Semana do Ultra Trail Mont Blanc”.

 

E sobre o percurso em si. Era o esperado ou foi mais complicado do que imaginou?
O percurso está muito bem traçado, com passagem por locais deslumbrantes, mesmo num dia em que a chuva não deu tréguas. É muito diversificado, tanto existindo zonas técnicas com muitas raízes e pedras, como outras em que é possível rolar a uma grande velocidade. A dificuldade correspondeu ao que tinha imaginado (fiz o trabalho de casa!).

Qual foi o momento determinante da sua corrida?
Os últimos 15 km foram determinantes. Consegui rolar a um ritmo forte numa zona com pouco desnível e sem grandes dificuldades técnicas, desde Col des Montets até Argentière. Nesse percurso, consegui subir um lugar na classificação, de 7.ª para 6.ª classificada. Na última subida até La Flégère alternei a corrida com caminhada forte e, quando avistei a Rory Bosio, convenci-me que teria de alcançá-la antes do fim da subida. Chegámos praticamente ao mesmo tempo ao abastecimento. Não precisava de nada, nem sequer de água, pelo que não parei e iniciei a descida primeiro que a Rory Bosio, a uma grande velocidade, para tentar deixá-la para trás. Fui bem-sucedida e em cada contracurva já não a avistava. A emoção de ir em 5.º lugar e de estar quase a terminar o desafio fez-me acelerar ainda mais em direcção a Chamonix. A chegada foi arrepiante!

Inês Marques gostaria de ter mais apoio no Trail
Inês Marques gostaria de ter mais apoio no Trail

Esteve muito próxima do quarto lugar. Acreditou que poderia alcançar essa posição? Tinha noção de que estava tão próxima dessa classificação?
Não tinha informação de que ia tão perto da 4.ª classificada. Porventura, se soubesse, acho que ainda conseguiria ter dado um pouco mais. Contudo, estava ciente de que a prova tinha 56 km e portanto não fico triste por ter ficado apenas a um minuto do quarto lugar.

Considera este o seu melhor resultado de sempre? Se não, qual foi e porquê?
Dado o nível competitivo, a prova em questão e o facto de ter sentido que fiz uma boa gestão do esforço e da alimentação, considero que foi o meu melhor resultado até hoje.

Inês Marquês garante que a magia do Ultra Trail Mont Blac é inacreditável

Qual acredita que foi o segredo da sua preparação e da corrida em si?
O OCC era um dos objetivos da época e cumpri o plano de treinos delineado para a prova, que incluiu treinos longos na estrada, séries na pista, treinos na serra e reforço muscular. A bagagem que trazia da preparação do Campeonato do Mundo, bem como a experiência que tenho vindo a adquirir nos trails de 50 km, foram uma mais-valia.  Consequentemente, consegui fazer uma boa gestão do esforço, bem como da alimentação. A todos estes ingredientes juntei uma grande motivação e vontade de me superar, que me foi transmitida pelos meus pais e amigas que me foram apoiar durante o percurso, bem como por quem me estava a seguir atentamente à distância.

O tempo ajudou ou prejudicou o seu ritmo? Preferia ter corrido com Sol?
Prefiro correr com um tempo mais ameno. Tive frio num dos pontos mais altos, altura em que tentei calçar as luvas e tive bastante dificuldade, pois estavam molhadas e tinha pouca sensibilidade nos dedos. Além disso, vesti o impermeável um pouco tarde, pois esperei até chegar ao abastecimento para tirá-lo da mochila.
Houve zonas escorregadias devido à chuva, mas visto que fomos dos primeiros atletas a pisar os trilhos, não estava perigoso. Pior foi para quem participou no UTMB!

 

A classificação de Inês Marques no OCC do Ultra Trail Mont Blanc
A classificação de Inês Marques no OCC do Ultra Trail Mont Blanc

 

Com este resultado, e a correr com algumas das melhores atletas do Mundo, a sua postura perante o Trail mudou alguma coisa? O que pretende para o futuro?
Esta prestação veio dar-me motivação para os próximos desafios e confiança para as ultra-distâncias. Gostaria que surgissem apoios para que pudesse sonhar com voos mais altos. Também ambiciono continuar a conciliar o desporto com a minha carreira profissional na área do actuariado, um desafio para o qual espero estar preparada.

Por último, a magia do Ultra Trail Mont Blanc é mesmo real?
É indescritível! Aconselho vivamente a participarem, quer como atletas, quer como espectadores.

LEIA TAMBÉM

Inês Marques: «O 5.º lugar no OCC superou as minhas expectativas»

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

Gostou? Partilhe pelos amigos