«Há uma excessiva associação do treino a questões estéticas e pressão social»

No próximo dia 6 de maio realizar-se-á em Lisboa a primeira edição do Exercise Summit, um evento que pretende ser uma referência para os profissionais associados ao exercício físico. A organização é da EXS – Exercise School, empresa de formação, consultoria e treino desportivo criada em 2014. «Pretendemos promover a atualização profissional, com elevada qualidade e inovação», refere Hugo Moniz, um dos idealizadores do evento, inédito no nosso país e no Mundo.

 

Concretamente, o que é a Exercise Summit?
O Exercise Summit pretende ser um evento anual de referência para os profissionais associados ao exercício, promovendo desta forma a atualização dos profissionais da área, com elevada qualidade e inovação. Contaremos sempre com a presença de especialistas de outras áreas de saúde complementares, pilares de uma vida saudável. É necessário reunir os melhores peritos para deste modo conseguirmos promover as melhores práticas de saúde na sociedade.

Mas porque a necessidade de fazer um evento deste tipo?
Simplesmente porque não existe nada do género no mundo. Promover a integração de profissionais de todas as áreas num único evento criará mais condições para uma melhor e mais genuína promoção de hábitos de vida saudável, como o treino de força, alimentação, orientação comportamental e prevenção de saúde e acompanhamento da mesma.

Mas, em termos gerais, há maus profissionais na área do Desporto nos vários ginásios espalhados pelo país?
Como em todas as profissões, existem bons e maus profissionais.

LEIA TAMBÉM
Portugueses com maus hábitos alimentares e pouco exercício físico

E qual o principal erro que acontece em Portugal em relação a esta área?
Há uma excessiva associação do treino a questões estéticas e pressão social, algo prejudicial para a área, mas principalmente para o “cliente” que recorre aos serviços de um profissional.

Até que ponto este “boom” de ginásios e personal trainners é “perigoso”, como o consumidor pode ter a certeza de que está a contratar um bom profissional ou que frequenta um ginásio em condições?
Da nossa parte, estamos a criar estratégias para que os clientes possam ter mais conhecimentos do que estão a contratar, como por exemplo uma plataforma onde forneceremos certificados da EXS EXERCISE SCHOOL, garantido assim um selo de qualidade EXS, que garantirá segurança e confiança dos serviços contratados.

EXERCISE SUMMIT 2017

Publicado por EXS Exercise School em Quarta-feira, 22 de Março de 2017

Acreditam que os profissionais de Educação Física acompanham os mais recentes estudos, sendo esta área bastante dinâmica?
Acredito que compete às entidades formadoras promover e facilitar este processo, “mastigando” e filtrando os mais importantes e de referência para a profissão.

Como foram escolhidos os temas que fazem parte do Exercise Summit? Qual foi o critério?
No total teremos oito temas em debate (clique aqui para saber quais os temas que serão abordados), todos importantes para uma saúde mais forte. O objetivo do Exercise Summit é promover o exercício seguro, eficaz e eficiente, numa lógica de multidisciplinaridade entre profissionais de saúde. É importante que todas juntas consigam se interligar e complementar para termos um resultado final ideal para todos os praticantes e, consequentemente, para a sociedade.

LEIA TAMBÉM
Especialistas defendem que exercício não é influente na luta contra a obesidade

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos