Cracco: «Em Espanha vi de perto que os melhores do mundo são de carne e osso, iguais a mim»

No penúltimo dia d´«A Semana da Concretização de um Sonho», Urbano Cracco recorda os tempos dos treinos, o que alteraria para alcançar um tempo ainda melhor do que alcançou. Mas também revela se há alguma semelhança entre a Maratona e os 100 km e aborda o impressionante tempo do japonês Yamauchi Hideaki, que apresentou um ritmo de 3m47 por… km.

 

Partilhe pelos amigos e faça um LIKE na nossa página. Obrigado!

 

Hoje tem consciência de algum erro cometido na prova? O que alteraria? E durante a preparação, o que acrescentava ou alterava?
Não acho que tenha cometido nenhum erro durante a prova, tudo o que aconteceu estava dentro do planejado. Procuro sempre planejar tudo com calma antes da prova e quase sempre acontece tudo como o estipulado.
Em relação a preparação, talvez acrescentasse mais treinos de tiros. No entanto, devido à Spartathlon, que foi realizada 50 dias antes do Mundial, só consegui treinar nas cinco semanas que antecederam o campeonato do Mundo. Mas notei uma grande evolução na velocidade, embora os treinos de volume para a Spartathlon também tenham sido importantes durante a prova, uma vez que, ao sair de uma prova de cerca de 250 km para uma de 100 km, a distância é bem mais curta e, mentalmente, isso é benéfico.

Acredita que há alguma semelhança entre a maratona e os 100 km? Ou são provas totalmente diferentes, a começar pela distância?
Na minha opinião são provas totalmente diferentes, com estratégias e preparação bastante diferentes, inclusive fisiologicamente. A única semelhança é a velocidade em ambas as provas em busca da vitória.

O vencedor do Mundial, Yamauchi Hideaki, apresentou um ritmo absolutamente espantoso, de 3m47 por km. Como participante da prova, como analisa esse ritmo? Teve oportunidade de trocar algumas ideias com Yamauchi Hideaki? Ou só o viu na largada?…
Vejo esse ritmo como possível de ser atingido. Pode parecer sobre-humano, mas, para mim, que estava na prova e que corri no mesmo pelotão onde ele estava por mais de 30 km, acredito que, com treinos mais específicos, posso chegar bem próximo desta marca. Em Espanha vi de perto que os melhores atletas do mundo são de carne e osso, iguais a mim, comem a mesma coisa que eu e bebem a mesma água que eu. Então porque não competir de igual para igual com eles? Acredito no meu potencial e vou melhorar a minha marca nos próximos mundiais. Se tiver a oportunidade de participar dos próximos mundiais…

Como referiu, o Brasil terminou na nona posição e foi uma das surpresas da prova. Como explica esse feito?
Quem conhece e acompanha os atletas brasileiros sabem da nossa capacidade. Os oito atletas que estavam a representar o país eram sem dúvida os melhores no momento, como provaram em Espanha. O objetivo traçado pela comissão técnica e pelos atletas era ficar entre os 10 primeiros.
A explicação para esse resultado é que nós, atletas, estamos cada vez mais a descobrir que fazer uma ultramaratona é mais do que concluir determinada distância. O que estamos a compreender é que devemos correr a distância no menor tempo possível. Nos nossos dias muitos grupos e atletas se auto glorificam, acham que são os melhores e que são sobre-humanos. No entanto, durante uma prova, são meros coadjuvantes. Não estou a dizer que concluir uma Ultra-maratona é algo “simples”, pelo contrário, é de louvar, mas, para competir no top, tanto a nível nacional como internacional, é necessário muito esforço e dedicação. Por isso, gostaria de ressaltar o nome dos atletas que representaram o Brasil e que alcançaram para o país a melhor classificação de sempre, tanto no masculino como no feminino: Luiza, Cláudia, Débora e Adeluci, eu, Gabriel, Felipe, Niumar, Kleber, Márcio, Bulka e Cleiser.
Agradeço também a oportunidade para ressaltar a ajuda da Sysbuilding e da Lopes Dias Arquitetura, empresas que, em parceria com o presidente Oscar e o assessor de comunicação Lucas, da Associação Brasileira de Ultramaratona, conseguiram o apoio necessário para as passagens aéreas e as necessárias parcerias.

 

LEIA TAMBÉM:

Cracco: «Os meus principais feitos ocorreram precisamente este ano»

Cinco conselhos fundamentais para correr… 100 km

Precisa de uma estratégia para correr uma prova de 100 km?

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

Gostou? Partilhe pelos amigos