O sono é um dos principais obstáculos em provas de duas centenas de km

“A Semana das 73h16m35”, a crónica de José Manuel Mota na Trans360º, com 265 km e um desnível positivo de 16500 metros, termina esta sexta-feira. Ao olhar para trás, o atleta português recorda qual alguns momentos do que foi a sua aventura: a estratégia, o sono, quando teve medo por estar perdido à uma da manhã num local perigoso, etc. Mas o passado já foi e agora José Manuel Mota tem como meta mais uma prova com duas centenas de quilómetros: Mauna to Mauna Ultra, 155 milhas (250 km) em auto-suficiência em seis etapas durante sete dias, entre 14 e 20 de maio… deste ano!

 

ESTRATÉGIA
A estratégia é manter um ritmo que seja o meu sem entrar em défice, hidratar bem, comer quando me sinto fraco, dormir o suficiente para o corpo também relaxar, mas sem descansos longos, e tirar partido dos pontos mais fáceis de progredir

SONO
Sem dúvida que as noites são um dos obstáculos mais difíceis neste tipo de provas. Dormi umas 4/5 horas, mas o plano era dormir durante as três noites. Dormi duas nas bases vida e a última onde o sono chegou. Ou seja, ajustei a estratégia em função do momento

LEIA TAMBÉM
Dos 25 km da estrada para os 265 km do Trail

 

RELACIONAMENTO ENTRE ATLETAS
O relacionamento é de interajuda e motivação mútua nos momentos em que alguém está em dificuldades. Mas é óbvio que cada um faz a sua prova em função do ritmo e estado físico do momento

INSEGURANÇA
Perdi-me algumas vezes sem grandes problemas mas, ao km 240, assustei-me por várias razões: por ser uma hora da manhã, pela zona ser perigosa, devido ao frio e por estar sozinho. Tive medo! Tudo aconteceu devido a falta de descanso, que retirou-me alguma concentração

LEIA TAMBÉM
Português teve de aprender a correr com GPS na Trans360º

 

O QUE RECORDA APÓS DUAS SEMANAS
Todo o ambiente envolvente da prova, as paisagens maravilhosas por onde passei, os momentos difíceis em que a progressão com grau de dificuldade era maior e sentíamos a dureza da prova, o acolhimento dos voluntários nas bases vida e a minha chegada à meta, com toda a receção fabulosa e a emoção que senti naquele momento.

O QUE A PROVA TROUXE
Em concreto, a Trans360° pouco trouxe para a minha vida. Fica a realização pessoal de ter terminado esta prova, com uma boa classificação, o reconhecimento dos amigos pelo feito e o currículo, que fica em registo.

LEIA TAMBÉM
Como correr 50 km em 13 horas…

FUTURO
Já está planificada a seguinte: Mauna to Mauna Ultra, de 250 km em auto-suficiência em seis etapas, em maio. Fiz recentemente Vila de Rei 50 km, no dia 24 de março estarei nos 100 km no Marão, com D+ 6000m, o tipo de provas que gosto. Para Dezembro tenho outra em mente, de 300 km, no Algarve, a ALUT – Algarviana Ultra Trail, prova que será a mais longa em Portugal, uma corrida que faz a sua estreia no calendário nacional.

LEIA TAMBÉM
Atleta português entrou em pânico após se perder

Pedro Alves

Pedro Alves