Tiago Leal rumo à Marathon des Sables

Ao longo das próximas semanas vamos acompanhar a preparação de Tiago Leal para a sempre emblemática Marathon des Sables (mais conhecida como MDS, entre 7 e 12 de abril), um sonho de qualquer corredor, seja ele profissional ou amador. Neste primeiro capítulo, damos a conhecer o nosso Corredor Anónimo, que vive atualmente em Al Ain, uma cidade pertencente a Abu Dhabi, nos Emiratos Árabes Unidos.

 

Chamo-me Tiago Leal e sou de Águeda, uma cidade do distrito de Aveiro. Tenho 39 anos. Sou licenciado em Educação Física e, neste momento, vivo em Al Ain, uma cidade pertencente a Abu Dhabi, nos Emiratos Árabes Unidos (UAE). Uma cidade no meio do deserto junto ao sultanato de Omã; uma cidade na qual posso praticar muitos desportos de outdoor, como correr, andar de bicicleta, nadar todo o ano…; uma cidade perfeita para quem faz triatlos. Aqui, podemos treinar cerca de 7 meses de uma forma perfeita em relação a temperaturas, mas existem meses onde as temperaturas atingem os 50 graus. Aí é que se torna tudo mais complicado…

LEIA TAMBÉM
Duplo amputado das pernas termina Maratona das Areias

Se tiver coragem, veja como ficou o pé de Kieran Tuntivate após vencer os 3000m indoor

Leciono numa escola inglesa e encontro-me no meu 5.º ano letivo aqui. Fui praticante de canoagem durante muitos anos e, há cerca de 7 anos, tomei o gosto pela corrida. Na altura, por lecionar na Lousã, de onde é natural a minha esposa e na qual tenho muitos amigos que correm comigo quando estou de férias, comecei a praticar Trail.

Faltam 5 semanas rumo ao sonho da Marathon des Sables

Sonho com esta Ultramaratona há muitos anos e, desde que cheguei a Abu Dhabi, o sonho foi crescendo até se tornar hoje numa realidade, a realidade que me permitiu inscrever na prova. Desde que me encontro nos UAE, é a primeira vez que a MDS coincide com as minhas férias escolares. Reuni as condições financeiras necessárias, mas também com o apoio das empresas PECOL – Sistemas de Fixação, SA e MarGens – Formação e Actividades Turístico Recreativas, ambas de Águeda, e aqui estou, a cerca de 5 semanas de encarar as temperaturas altíssimas do deserto do Sahara em Marrocos para uma “multi stage” de 6 etapas, com uma distância total de 250 km.

Estou numa fase da minha preparação para a MDS em que procuro fazer corridas longas e os “back2backs” com o material que vou utilizar na prova. Gostava de começar a prova com um peso na mochila de cerca 7,5kg/7,8kg (se não estou em erro, o mínimo será 6,5kg e o máximo de cerca de 13kg). As gramas do material que levamos nesta prova são tão levadas a sério que até o cabo da escova de dentes é cortado, levando-se apenas a escova propriamente dita. Passei por alguns meses complicados com uma lesão na zona lombar mas agora não adianta olhar para trás, pois sinto-me confiante em realizar uma prova sonhada há muito tempo.

Os treinos são basicamente realizados aqui na cidade onde resido, com corridas de estrada durante a semana, ginásio e natação. Aos fins-de-semana procuro fazer corridas longas, com uma mistura de deserto (dunas) e percurso de gravilha, rocha, etc.

Há cerca de 5 semanas que procuro afinar detalhes de preservação durante a prova, mas também a alimentação, cuidado com os pés, material a usar, entre outras coisas que ficarão para os próximos capítulos…

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos