Cada suor vale a pena para correr a Ronda dels Cims, ainda mais com estes 20 conselhos…

ronda2

No último conselho para quem deseja um dia correr a Ronda dels Cims (170 km com um total de 27000 m de desnível acumulado, uma prova que decorre a uma altitude média próxima dos 2100 m), Luís Duarte recorda quando subiu a mítica Comapedrosa, quando viu todas as montanhas ao seu redor. Na altura, teve apenas um pensamento: «É duro, mas vale cada gota de suor!». Uma frase que resume na perfeição o que significa participar num evento desta magnitude e dificuldade.

 

Partilhe pelos amigos e faça um LIKE na nossa página. Obrigado! 

 

XVI MANDAMENTO
É importante que estejas com um peso adequado para a prova, como é evidente. Quanto mais pesares, mais carregarás. Contudo, não descures o abastecimento das reservas de glicogénio nos três dias anteriores à prova. Podes estar muito leve, mas precisas de energia para correr.

XVII MANDAMENTO
Dormir. Ninguém liga para isto. Eu também não respeito esta regra, mas que faz toda a diferença, faz! Um atleta de alta competição dorme mais de oito horas e, se for necessário, ainda faz uma sesta a seguir ao almoço! Isto permite ao corpo recuperar mais e melhor. A verdade é que, às vezes, estamos demasiado ansiosos e até a noite anterior à prova é um desastre. Temos que ter mais atenção neste especto.

luisXVIII MANDAMENTO
Não te esqueças de alongar bem e, se for possível, fazer uma massagem de relaxamento após treinos mais exigentes. Não é necessário ires a um fisioterapeuta ou massagista. Tu próprio poderás fazer isso antes de deitar ou a seguir ao banho.

XIX MANDAMENTO
Um pequeno truque para as provas que decorrem durante a noite: cafeína. Quem é que, ao correr durante uma noite inteira, nunca sentiu uma vontade imensa de dormir? Principalmente na fase mais avançada da noite, o cansaço e o sono começam a apoderar-se de nós. É verdade que nos pode causar problemas intestinais, mas aumenta a concentração e o estado de alerta, para além de atenuar a dor e retardar a fadiga. Não arrisques se não tens por hábito beber café, mas se o teu corpo está familiarizado com a cafeína, é uma ajuda enorme. Todavia, se durante a prova te sentires realmente esgotado, não conseguires comer ou não suportares o sono, lembra-te: tens 62 horas para terminar este desafio (a não ser que tenha sido alterado). Para, dorme, descansa, come. Nesta prova tens voluntários incríveis que estarão dispostos a tudo para te ajudar. São pessoas que conhecem a modalidade, que respiram a montanha e compreendem o teu lado. Terás massagens, pedologistas e equipas médicas nos principais pontos.

XX MANDAMENTO
O tempo de prova não interessa e podes esquecer o cronómetro. Só aconselho levar o GPS para teres o track em caso de perderes o trilho e, além disso, poderes controlar os quilómetros para abastecimentos e tempo para ires repondo energia da tua própria alimentação. Tenta desfrutar ao máximo desta aventura/experiência e lembra-te que somos todos iguais e fazemos todos os mesmos quilómetros e percurso. Lembra-te do verdadeiro espírito do Trail e não hesites em ajudar alguém. Volta às origens, incentiva-te com a superação a cada subida e… VIVE! Lembro de estar a subir a Comapedrosa, ver todas aquelas montanhas em volta e pensar: «É duro, mas vale cada gota de suor!».

 

LEIA TAMBÉM:

Os XX Mandamentos da Ronda dels Cims

A importância dos treinos anaeróbio, força e volume

Afinal os Mandamentos não eram Dez…

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos