Dos três maços de cigarro por dia para as 3h00 na Maratona

Hugo Ferreira, de 38 anos, chegou a fumar três maços de cigarro por dia (começou aso 13 anos…) e correr 100 metros era justificação para chamar o 112. O nascimento do segundo filho alterou por completo a sua vida. Na última Maratona do Porto, o objetivo era baixar das 3h00. Este é o seu caminho até o passado domingo…

 

Nunca fui praticante de desporto. Em miúdo, nem era de jogar à bola nos intervalos. O meu passado desportivo resume-se aos passeios de bicicleta típicos da adolescência. Comecei a fumar demasiado cedo, por volta dos 13 anos, o que fez com que o desporto juvenil me passasse completamente ao lado.

Em Setembro de 2011, na altura da segunda gravidez da minha esposa, decidi deixar de fumar, de uma forma radical, quando começou a vir-me ao pensamento a ideia de que, ao continuar o estilo de vida que tinha até então, não iria conseguir acompanhar as brincadeiras dos meus filhos e até um simples passeio de bicicleta poderia me deixar ofegante. Na altura consumia para cima de 3 maços de cigarros por dia… E a verdade é que deixei de fumar de um dia para o outro.

A corrida entrou imediatamente de seguida como forma de conseguir controlar o estresse e a ansiedade da abstenção tabágica. Comecei os meus treinos sozinho, sem que, na altura, conseguisse correr 100 metros sem ter que parar para recuperar o fôlego.

 

Antes da Maratona do Porto, Hugo Ferreira fez várias provas em estrada e no trail
Antes da Maratona do Porto, Hugo Ferreira fez várias provas em estrada e no trail

 

Insisti, sempre alternando um jogging com caminhada, o que fez com que, ao fim de pouco tempo, conseguisse correr confortavelmente 10 km sem parar. Assim o fiz durante 2 anos, sem nunca me ter interessado por provas, apenas mantendo uma rotina de treino de fazer uns 10 quilómetros entre 4 e 5 vezes por semana.

Em Dezembro de 2013 estreei-me na São Silvestre do Porto, por insistência do meu cunhado. Fiz, na minha estreia em provas, o tempo de 45m20 e recebi um convite para integrar a equipa dele, a White Running Team, o qual prontamente aceitei.

Comecei de forma regular a participar em provas de estrada, estreei-me na distância de Meia-maratona em abril desse mesmo ano, na primeira edição da Meia-maratona de Barcelos com o tempo de 1h34m33. A Maratona surge nesse mesmo ano com a minha participação na Maratona do Porto. Na estreia da distância, coloquei como objetivo fazer em menos de 3h30 e acabei por ser bastante feliz: atingi a marca de 3h26m21.

Apenas um mês depois da estreia, participei na Geres Marathon, visto ter sido contemplado através de um passatempo de um dorsal para a mesma. Após esta prova, tinha descoberto uma paixão pelas grandes distâncias e pela montanha, o que me levou a que, durante o ano de 2015 e parte de 2016, me dedicasse quase de forma exclusiva ao Ultra Trail. Concluí inúmeras provas, entre as quais Ultra trail do Paleozóico 2015/2016, Ultra trail Serra da Freita 65K 2015, GTSA 2015 53k + KV, Geres Marathon 2015, Ultra Trail de São Mamede 100k 2016, UT Douro e Paiva 65K 2016.

O regresso a estrada devido ao tendão de Aquiles

Por altura do UTDP 2016 comecei a apresentar queixas nos tendões de Aquiles. Por conselho do meu massagista, Paulo Rodrigues, afastei-me dos trilhos e, principalmente, do desgaste das subidas de modo a recuperar. Procurei então novos objetivos na estrada.

Inscrevi-me para a Maratona do Porto nesse ano e coloquei com objetivo fazer menos de 3h10. Durante a preparação, voltou de imediato todo o fascínio de correr em estrada, o prazer da superação dos tempos, dos treinos intervalados, de sair da zona de conforto e ir além dos limites. Isso fez com que a preparação corresse acima do esperado e redefinisse objetivos para umas ambiciosas 3 horas.

Uma má gestão do esforço nos quilómetros iniciais e uma deficiente hidratação e alimentação durante a prova, aliada a já esquecida falta de experiência na estrada, fez com que quebrasse muito forte a partir dos 30 km e concluísse a corrida já com bastante sofrimento e com o tempo de 3h01m15.

 

Este ano, Hugo Ferreira fez a sua estreia no triatlo
Este ano, Hugo Ferreira fez a sua estreia no triatlo

 

Nesse mesmo dia ficou a promessa que, no ano seguinte, iria quebrar as 3 horas e que o meu principal foco em 2017 seria a maratona do Porto.

Por altura do fim do ano surgiu um convite da parte do Gramidense I.F.C. para o representar e ajudar a fazer crescer a nova secção de Atletismo, o qual aceitei.

Durante todo o ano de 2017 apenas corri em estrada, tendo conseguido baixar os meus tempos em todas as distâncias. Em abril deste ano surgiu também a oportunidade de participar no triatlo de Matosinhos. Fiz a minha estreia na modalidade na distância olímpica, tendo concluído o mesmo num tempo de 2h33m26.

Após ter concluído este desafio, o foco ficou totalmente virado para a Maratona do Porto.

 

Não perca na sexta-feira como foi a corrida de Hugo Ferreira no domingo e se conseguiu ou não baixar das 3h00.

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

Gostou? Partilhe pelos amigos