Saucony começa o ano com Triumph ISO 4

Everun em toda a sola intermédia e um novo ajuste ISOFit. Estas são as principais novidades do modelo Triumph ISO 4, a primeira proposta da Saucony para 2018. Uma aposta segura para quem procura estabilidade, conforto e segurança na corrida.

 

Em relação ao modelo anterior, o Triumph ISO 3, a nova proposta da Saucony é um claro passo à frente, o que, incompreensivelmente, nem sempre acontece no Mundo das Sapatilhas. Essa singular evolução deve-se a inclusão da tecnologia Everun ao longo de toda a sola intermédia, oferecendo ao atleta uma corrida muito mais estável (para aumentar ainda mais a estabilidade, a marca redesenhou a sola, concretamente com ranhuras longitudinais na parte dianteira), algo fundamental para a segurança do corredor, mas também uma maior durabilidade, algo sempre importante nas nossas escolhas.

Recorde-se que a tecnologia Everun da Saucony foi lançada em 2015 e tem como sustentação oferecer ao corredor um amortecimento contínuo, igual em todas as etapas da corrida, fruto de uma espuma firme e reativa. Ao introduzir a Everun ao longo de toda a sola intermédia, evidentemente que o peso das sapatilhas aumenta, mas, se colocarmos os prós e os contras numa balança, o prato da mesma recai por completo para os fatores positivos, ainda mais quando o aumento do peso não é muito significativo (mas existe…) em comparação com o anterior modelo.

Ao contrário do que imaginávamos, a transição da passada é bastante fluída, o que poderia ser uma dificuldade devido a inclusão da tecnologia para o amortecimento da Saucony. No entanto, não podemos deixar de referir que a parte dianteira é mais rígida do que o habitual, com a marca a dar prioridade a zona do calcanhar durante as passadas (proporcionando um menor impacto e uma maior impulsão), algo mais do que compreensível e justificável. Mas deve-se salientar que essa rigidez mencionada não influi em nada no ato em si da corrida.

ISOFit aumenta o conforto da Triumph ISO 4

O segundo dado a destacar na Triumph ISO 4 é a melhoria da tecnologia ISOFit, malha elástica que se adapta à forma e ao movimento do pé. Apesar de, esteticamente, parecer um modelo “robusto”, a verdade é que a nova aposta da Saucony é de um conforto exemplar, algo que sentimos de imediato, mal estejamos com elas nos pés. A comodidade é assim uma das palavras centrais deste modelo, mas sem jamais prejudicar o rendimento, uma das críticas mais comuns no Triumph ISO 3, por exemplo. De notar no entanto que este conforto e melhor ajuste aos nossos pés não é sinal de fragilidade, pelo contrário. Fruto da utilização de materiais colocados estrategicamente nos pontos chaves das sapatilhas, o Triumph ISO 4 é uma sapatilha mais do que resistente.

Os Triumph ISO 4 prometem surpreender os corredores de todo o Mundo
Os Triumph ISO 4 prometem surpreender os corredores de todo o Mundo

Idealizado para as médias e grandes distâncias, a Triumph ISO 4 é uma aposta mais do que segura para quem sonha em alcançar grandes marcas ou para aqueles que pretendem fazer da corrida a sua atividade diária. São um modelo ideal para “comer quilómetros”, algo sempre apetecível para qualquer corredor, ainda mais tendo como caraterísticas um excelente amortecimento e uma adaptabilidade aos pés bastante marcantes. Uma excelente proposta da Saucony para este início de ano!

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos