“Ocho Lunas” colocará os Picos da Europa no epicentro do Ultra Trail mundial

 

Sin Fondo

A “Ocho Lunas de Picos” promete ser uma das provas marcantes do calendário de 2016. Durante oito dias, entre 11 e 18 de junho, os Picos da Europa, em Espanha, acolherão a elite da resistência, já que alguns dos grandes nomes do ultra trail mundial já confirmaram a sua presença na corrida. No total, 32 mil euros de prémios monetários e 300 km por ultrapassar em oito etapas, com um desnível acumulado de… 40 mil metros.

 

Partilhe pelos amigos e faça um LIKE na nossa página. Obrigado! 

 

O italiano Gianluca Galeati (segundo no Tor des Geants 2015), o espanhol Salvo Calvo (um dos corredores de ultra trail com mais pódios na história), a lenda norte-americana Krissy Moehl (vencedora, por exemplo, do Ultra Trail du Mont Blanc), o japonês Masahiro Ono (um dos principais atletas asiáticos, alcançou por duas vezes o quinto lugar no Tor des Geants, em 2015 e 2014), o norte-americano Nickademus Hollon (segundo na Tor des Geants 2014, vai começar a sua temporada competitiva precisamente nos Picos da Europa), a italiana Francesca Canepa (vencedora por duas vezes no Tor des Geants, do The Norte Face Lavadero Ultra Trail, segunda no Ultra Trail du Mont Blanc e Transgrancanaria, etc.) e a espanhola Nerea Martinez (primeira no Ultra Trail Monte Fuji) são apenas alguns dos nomes de corredores que já confirmaram a sua presença na “Ocho Lunas”, o que comprova a expetativa que rodeia a prova, que terá a sua primeira edição no próximo ano.

20130614_Travesera_0293 copia

As inscrições estarão disponíveis a partir do dia 1 de janeiro de 2016, com a prova a acolher “apenas” 300 atletas devido a questões logísticas. A prova percorrerá três Comunidades Autónomas de Espanha, concretamente Castela e Leão, Astúrias e Cantábria. A “Ocho Lunas” percorrerá assim os três maciços do denominado “Parque Nacional de Picos de Europa”, com partida e chegada em Cangas de Onís, em solo asturiano, embora a prova decorra o parque de Norte a Sul, de Este a Oeste.

«A corrida desenvolve-se em oito etapas, uma por dia, a velocidade livre, em um tempo limitado e em regime de semi-autossuficiência», revela a organização, que considera a prova, «possivelmente, a corrida por etapas mais dura da Europa».

 

Roll Up jpgDADOS DAS ETAPAS:

1.ª etapa
Partida e chegada: Cangas de Onís – Benia
Distância: 47 km
Desnível: 5.225 metros (+ 2.677 m; – 2.548 m)

2.ª etapa
Partida e chegada: Benía – Arenas
Distância: 43 km
Desnível: 6.300 metros (+ 3.115 m; – 3.156 m)

3.ª etapa
Partida e chegada: Arenas – Potes
Distância: 41 km
Desnível: 6.320 metros (+3.220 m; – 3.100 m)

4.ª etapa
Partida e chegada: Potes – Fuente Dé
Distância: 41 km
Desnível: 5.310 metros (+3.050 m; – 2.260 m)

5.ª etapa
Partida e chegada: Fuente Dé – Fuente Dé
Distância: Km. Vertical (4 km)
Desnível: 1.000 metros (+ 1.000 m)

6.ª etapa
Partida e chegada: Fuente Dé – Posada de Valdeón
Distância: 27 km
Desnível: 3.050 metros (+ 1.950 m; – 2.100 m)

7.ª etapa
Partida e chegada: Posada de Valdeón – Posada de Valdeón
Distância: 29 km
Desnível: 4.460 metros (+ 2.160 m; – 2.300 m)

8.ª etapa
Partida e chegada: Posada de Valdeón – Cangas de Onís
Distância: 48 km
Desnível: 4.750 metros (+ 2.300 m; – 3.180 m)

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos