Mirna Valerio redefine o que é ser corredora

Em 2017, Mirna Valerio redefiniu o conceito de corredora. Mesmo não estando catalogada pela sociedade como uma atleta, a norte-americana tornou-se uma referência mundial, sendo agora considerada pela National Geographic um dos oito nomes marcantes do ano passado, numa lista onde consta, por exemplo, o nome de Killian Jornet, considerado o aventureiro do ano devido a sua dupla escalada ao Evereste, em menos de uma semana.

 

Mãe, professora, cantora, autora, ultra runner… A lista de Mirna Valerio é intensa e diversificada. O seu blog Fat Girl Running é hoje uma referência para milhares de pessoas, um blog onde faz questão de mostrar a sua postura positiva perante o seu corpo e a vida.

Apesar dos cerca de 120 kg, Mirna Valerio não se esconde em casa, pelo contrário, faz questão de mostrar toda a sua autoestima. Por isso, é normal vermos a norte-americana em várias provas de corrida. «Estou acostumada a ser uma anomalia», afirmou.

Na sua carreira desportiva, Valerio foi finalista de várias Maratonas, Ultra-maratonas e corridas de obstáculos. Por exemplo, em 2017, participou da exigente TransRockies 120, um feito ao alcance de poucos, tal a sua exigência.

Mirna Valerio é uma celebridade, sendo capa das principais revistas de corrida do Mundo
Mirna Valerio é uma celebridade, sendo capa das principais revistas de corrida do Mundo

«Eu realmente adoro fazer longas distâncias, adoro estar sozinha e comigo própria por um longo tempo.»

A sua paixão pela corrida foi reacendida em 2008, quando, devido a um ataque de pânico, que Valerio julgou ser um ataque cardíaco, decidiu alterar o seu modo de vida, regressando aquilo de que mais gostava: correr. A norte-americana recorda hoje entre risos a sofreguidão que foi correr a primeira milha (1,6 km) na passadeira.

Medo de sair para correr 

«É realmente muito duro sair para correr quando você tem medo de ouvir impropérios das pessoas enquanto corres, de ouvir bocas oriundas dos carros que passam por nós», admitiu Valerio ao USA Today.

Apesar do medo, a norte-americana encontrou uma saída no blog Fat Girl Running, que acabou por ser um escape da corredora, que fez questão de mostrar o seu amor-próprio sem receios, algo ao alcance de todos. A mensagem de Valerio é clara: ninguém deve nada a ninguém, apenas a si própria.

«Depende apenas de nós criarmos a nossa própria narrativa fitness», defende.

No fundo, Valerio prova que ser apto e saudável está ao alcance de todos, independentemente das formas e dos tamanhos.

E foi esse recado que acabou por ser ouvido por milhares de pessoas, o que fez com que Mirna Valerio estivesse ao lado de Killian Jornet na lista “Aventureiros do Ano” da National Geographic.

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos