O álbum de memórias de Domingos Castro em Roterdão

Duas décadas depois do seu triunfo, Domingos Castro regressou as artérias de Roterdão. Entre homenagens e o reconhecimento popular, o atleta português registou diversos momentos de uma viagem que ainda hoje recorda com carinho. Aqui fica alguns destes momentos, de uma cidade que não esquece o triunfo de Domingos Castro. Duas décadas depois…

 

LEIA TAMBÉM
Domingos Castro: «Os jovens de hoje são de outro material e correr é muito duro para eles»

Domingos Castro: «Entre Paris e Roterdão, recordo com mais carinho a Maratona de Roterdão»

 

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos