Há 50 anos o primeiro homem correu a Maratona em menos de 2h10

Com o recorde europeu na Maratona de Fukuoka, oportunidade para relembramos o australiano Derek Clayton, o primeiro homem a correr a distância em menos de 2h10. Há 50 anos, precisamente em Fukuoka.

 

Clayton escreveu o seu nome no Atletismo mundial em 1967, quando, na Maratona de Fukuoka, logo na sua primeira Maratona internacional, estabeleceu o recorde do Mundo da distância.

Para termos uma ideia da grandeza do seu resultado, Clayton, com apenas 25 anos, melhorou a sua melhor marca pessoal em mais de 9 minutos (!!!), ao mesmo tempo que retirou três minutos ao anterior registo mundial. No final, o australiano percorreu os rápidos 42,195 km da cidade japonesa em 2h09m37, um marco na altura, já que finalmente o homem conseguiu correr a Maratona em menos de 2h10 (em termos comparativos, o que acontece nos dias de hoje com as 2h00).

LEIA TAMBÉM
Norueguês estabelece novo recorde da Europa na Maratona

No entanto, Clayton continuou a sua saga, já que, dois anos depois, em Antuérpia, na Bélgica, superou o seu recorde do Mundo, colocando a fasquia em 2h08m34.

«Tinha superado a barreira das 2h09. Esqueci por completo o meu esgotamento. Dentro de poucas horas, a agonia do recorde do mundo se manifestaria pelo meu corpo. A elação seria substituída pelo medo e iria em breve urinar quantidades de sangue e vomitar. A corrida deixou-me tão fatigado que demorei seis meses para me recuperar. Mas, de pé na linha de chegada, senti apenas exaltação», afirmou pouco depois da sua façanha.

Derek Clayton “falha” nos Jogos Olímpicos

A brilhante corrida de David Clayton em Fukuoka
A brilhante corrida de David Clayton em Fukuoka

Para termos uma noção da “barbaridade” da marca de Clayton, apenas 12 anos depois a mesma foi superada, concretamente pelo compatriota Robert de Castella, curiosamente na Maratona de Fukuoka. O australiano correu a prova em 2h08m18.

Como curiosidade, refira-se que, um mês antes do recorde de Castella, o registo mundial foi superado na Maratona de Nova Iorque por Alberto Salazar (2h08m13). No entanto, devido a um erro no percurso, que apresentava menos 150 metros do que a distância oficial, o recorde foi anulado.

Apesar das suas duas grandes marcas, Clayton “falhou” nos dois Jogos Olímpicos em que participou, na Cidade do México 1968 (sétimo, com 2h27m23) e Munique 1972 (13.º, com 2h19m49). No entanto, isso não impediu de figurar no “Sport Australia Hall of Fame”, em 1999.

 

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

Gostou? Partilhe pelos amigos