«É a altura de dar o salto» no Grande Trail da Serra D´Arga

serradarga

A edição deste ano do Grande Trail da Serra D´Arga 2015, nos dias 26 e 27 de setembro e organizado pela Carlos Sá Nature Event com a colaboração da Desnível Positivo, pretende ser um marco na história da prova. Como disseram os vice-presidentes das câmaras municipais de Ponte de Lima, Viana do Castelo e de Caminha, «é a altura de dar o salto».

 

Se gostou deste artigo, seja nosso amigo e partilhe pelos seus amigos no Facebook

 

Os tempos da experiência e da confirmação já é coisa do passado. Agora é a vez do Grande Trail da Serra D´Arga assumir o seu papel de destaque no calendário nacional. E, para isso, a edição de 2015 promete ser um diferencial, um separador de águas. Não foi por acaso que a apresentação da prova decorreu em Viana do Castelo, no navio Gil Eannes…

Além das forças políticas, o evento contou com Carlos Sá, que anunciou algumas das novidades da corrida deste ano. No entanto, Sá fez questão de salientar antes que a Serra d’Arga é atualmente frequentada por dezenas de praticantes de trail, facto que acabou por dinamizar em muito a região, uma prova de que hoje o trail é muito mais do que um desporto.

carlossa

Mais uma vez, a prova rainha terá 53 km e faz parte pelo terceiro ano consecutivo do circuito nacional trail ultra da ATRP (Associação de Trail Running de Portugal). As inscrições esgotaram de imediato e, neste momento, só há lugares para as restantes distâncias, que já contam no entanto já com mais de 2000 inscrições. Para quem deseja correr os 33 km e 23 km, de referir que a lotação está muito próxima de esgotar…

No total, deveremos ter cerca de 3000 participantes de todo o país, incluindo regiões autónomas. Além do forte esquadrão internacional, teremos importantes nomes do esquadrão nacional, como por exemplo André Rodrigues (vencedor em 2013 e 2014), Hélder Ferreira (segundo classificado em 2014; campeão nacional em 2014; melhor português no campeonato do mundo em 2015), Rui Seixo (terceiro classificado em 2014), Ricardo Silva e Jérôme Rodrigues (equipa vencedora do Gerês Trail Adventure 2015), Amândio Antunes (vencedor a solo do Peneda-Gerês Trail Adventure), Ester Alves (vencedora em 2014, campeã nacional em 2015, oitava no UTMB 2014, sexta na Trangrancanaria 2015), Lucinda Sousa (segunda classificada em 2014; campeã nacional em 2014; melhor portuguesa no campeonato do mundo de 2015, sétima na Trangrancanaria 2015), Cristina Ponte (terceira classificada em 2014) e Sofia Roquete (quarta classificada em 2014)

Programa (6 provas competitivas, uma caminhada e um Trail Jovem)

 

Sábado, 26 de setembro

GTSA – Vertical
Cerca de 4,5 kms e 800m D+, com concentração no Parque de Campismo de Pentieiros. Partida na freguesia de Estorãos e chegada no alto da Senhora do Minho

Trail Jovem
Partida e chegada no alto da Senhora do Minho, com várias distâncias, de acordo com as várias faixas etárias dos pequenos participantes

GTSA Sunset
Cerca de 17 km e 600 m D+ (partida e chegada em Caminha)

Caminhada
Cerca de 10 km e 300m D+ (partida e chegada em Caminha)

 

Domingo, 27 de setembro

Ultra Trail
Cerca de 53 km e 3 000m D+ (partida e chegada em Dem)

Trail Longo
Cerca de 33 km e 1 900m D+ (partida em Dem e chegada na Montaria)

Trail Longo
Cerca de 23 km e 1 000m D+ (partida na Montaria e chegada em Dem)

Trail Curto
Cerca de 13 km e 3 600m D+ (partida e chegada na Montaria)

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos