Os dez conselhos de Ester Alves para correr a Everest Trail Race (e não só)

Segunda colocada na Everest Trail Race, a portuguesa Ester Alves participa da Black Friday com 10 conselhos, GRATUITOS, para quem um dia espera participar da prova. Mas os conselhos da ultramaratonista servem também para outras corridas, mesmo ao nível do mar.

 

1) Treinar altitude (não treinei este ponto)

2) Treinar força (muito ginásio)

3) Levar material leve e muitas camadas de roupa (por vezes o material mais leve é o mais caro, mas compensa)

4) Usar sapatilhas confortáveis…

5) Treinar até ao grau extremo de fadiga. Parece ridículo dizer isto, mas, se não te deitares com a sensação de desmaio, então não estarás preparado para algo como o Evereste

 

 

6) Planos de treino de Excel não bastam para saberes que tens algo GIGANTE a cumprir

7) Se os teus pés ainda tiverem unhas, então é porque te falta treino…

8) Confirma que tens calos nas mãos e que a pele das pernas está seca

LEIA TAMBÉM
Ester Alves: «Procurava andar devagar depois das etapas para ninguém reparar que tinha dores»

Ester Alves e a Everest Trail Race: «Foi a prova em que me senti mais fora do meu meio»

9) Confirma que sentes medo… É um bom fator de avaliação. Sentir medo antes de uma prova é sinal que lutaste pela preparação e lutaste bem

10) Vai… E, se der medo, vai com medo!

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos