Atleta de 81 anos vai correr um dos Trails mais famosos da América do Sul

 

forti

A distância e as dificuldades da El Cruce Columbia, uma das corridas mais emblemáticas da América do Sul, não assustam a italiana Elisa Forti, que, com 81 anos, pretende correr a prova entre 10 e 12 de fevereiro.

 

Partilhe pelos amigos e faça um LIKE na nossa página. Obrigado! 

 

Forti não é virgem na prova, já que a italiana afincada na Argentina já correu a prova que soma mais de 100 km em três etapas por duas vezes, a última das quais no… ano passado, juntamente com o seu neto!!!

A italiana, «argentina de coração», como gosta de afirmar, é já uma referência na Argentina, país onde chegou com 14 anos. Forti começou a correr já tarde, depois de passar pelo voleibol, ténis e natação. No entanto, foi precisamente no “running” que acabou por encontrar o seu desporto de eleição.

«O companheirismo na corrida é único. Tens consciência de que, se terminas uma corrida, podes fazer outras coisas. Correr dá-te vida, empurra-te para à frente e torna-te mais altruísta. É harmonioso. Retira-te a tristeza e ajuda-te a seguir a viver», referiu ao Carreras por Montana.

Forti corre uma hora por dia, de segunda a sexta-feira. No sábado junta-se ao neto Gabriel e, no domingo, entrega-se ao ténis.

Veja o vídeo do espanhol Chema Martínez sobre a prova:

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos