Andorra já respira a emblemática Ronda dels Cims

ronda

O principado de Andorra receberá entre 25 e 28 de junho cerca de 2600 corredores de 39 nacionalidades no próximo fim-de-semana. O Andorra Ultra Trail Vallnord acolhe, entre outras provas, uma das mais emblemáticas provas do Mundo do Trail, a Ronda dels Cims (170km, 13.700m D+), apelidada de a mais dura da Europa.

 

Não se esqueça de fazer um LIKE e partilhar a nossa página. Obrigado! 

 

No total, a Andorra Ultra Trail Vallnord apresenta cinco provas. Além da principal, a Ronda dels Cims (a primeira a ter a sua lotação esgotada), é possível correr a Mitíc (112km, 9700m D+; faz parte do calendário das Skyrunner Series Spain & Portugal), Celstrail (83km, 5000m D+), Marató Dels Cims (42,5km, 5000m D+; nota para a presença da campeã do Mundo de Ultra-trail 2014, Núria Picas) e SolidariTrail (10km 700D+).

Na prova principal teremos, entre outros, Armando Teixeira, da Salomon Suunto Portugal (leia amanhã uma entrevista com o português), segundo classificado em 2014, e o vencedor do ano passado, Francesc Solé:

«Este ano apresento-me na Ronda exatamente pelos mesmos motivos que me levaram a estar presente noutras edições: desfrutar da montanha, das paisagens e do ambiente inigualável que se vive nesta ultra.»

Mas também há outros nomes no masculino, como Carles Rossel, Antoine Guillon e Eugeni Roselló, por exemplo. No feminino, apesar das presenças de Véronique Chastel e Caro Poux, a favorita é a espanhola Nerea Martinez, da Salomon Internacional:

«Esta é uma das minhas provas preferidas pela dureza do percurso e pela organização. Na Ronda dels Cims vivi alguns dos meus melhores momentos desportivos e também os mais amargos. Tudo se pode passar numa prova tão exigente. Espero que o meu corpo e mente respondam para que possa desfrutar ao máximo.»

De referir que a prova deste ano aumentou ligeiramente o seu desnível.

«O desnível aumentou um pouco para que os corredores possam passar por dois pontos panorâmicos, que lhes darão uma ideia mais completa das nossas montanhas e da beleza deste país», revelou o diretor da prova, Gérard Martinez.

Em termos de sinalização, serão colocadas 8 mil “banderitas”, como dizem os espanhóis, além de 7 km de fitas refletoras. A prova, que reúne 400 voluntários e mais de 100 profissionais entre médicos, podólogos, fisioterapeutas e equipas de segurança, poderá ser acompanhada em direto, via streaming.

 

LEIA TAMBÉM:
PASSATEMPO: ganhe livros «VONTADE DE FERRO» de Pedro Castro

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos