A importância do ginásio na Corrida

correrjosesoares

Editado pela Porto Editora, «Running – Muito Mais do que Correr», de José Soares, de 56 anos, Professor Catedrático de Fisiologia na Faculdade de Desporto da Universidade do Porto, é um dos livros da temporada no que toda ao Mundo da Corrida em Portugal. N´«A Semana de…» vamos apresentar algumas das partes desta obra, que aborda vários temas imprescindíveis para qualquer corredor. Uma leitura obrigatória, como o leitor poderá verificar hoje e nos próximos quatro dias.

 

Partilhe pelos amigos e faça um LIKE na nossa página. Obrigado! 

 

COMO DEVO ESCOLHER UM GINÁSIO?

Ainda que as pessoas que frequentam ginásios continuem a ser uma minoria, estes espaços continuam a ser quase a única opção para quem quer, para além de correr, fazer musculação ou aulas de grupo. A oferta é vastíssima, apesar de a crise ter contribuído fortemente para o encerramento de muitas unidades de negócio nesta área. Mas que preocupações deverei ter quando escolho um ginásio?

Na escolha de um ginásio, deve ter as seguintes preocupações:

Certifique-se da qualificação dos profissionais. Tente informar-se de qual o nível de formação dos professores. O exercício é algo sério que precisa de ser orientado por profissionais qualificados, competentes e com sólida formação académica.

runn2Verifique a higiene e segurança. Antes de fazer a inscrição, visite as instalações e verifique se as normas básicas de higiene estão a ser cumpridas, se as máquinas são limpas e desinfetadas com regularidade, se há locais com desinfetante e se há uma rotina de limpeza dos equipamentos. Lembre-se de que é um ambiente de fácil contaminação e que, por isso, precisa de cuidados extra de limpeza e desinfeção.
No que se refere à segurança, avalie se os equipamentos estão em bom estado de conservação e se estão arrumados convenientemente (a maior parte dos acidentes nos ginásios acontece com materiais de treino mal colocados e arrumados ou utilizados em zonas não específicas).

Pergunte se os profissionais têm formação em suporte básico de vida e primeiros socorros. Para além disso, saiba também se têm um plano de emergência médica. Ou seja, no caso de haver um acidente de baixa gravidade, os funcionários do ginásio estão preparados para atuarem de forma eficaz e competente? Se o acidente for mais grave, têm um plano pré-determinado para recorrerem a emergência médica?

Verifique se a avaliação inicial, que deverá existir sempre, contempla perguntas que incluam aspetos gerais sobre os diferentes fatores de risco, sobre limitações ou sobre as suas necessidades específicas. Imagine que na avaliação inicial apenas é realizado um teste de avaliação da sua composição corporal, uma avaliação da flexibilidade, algumas perguntas sobre os seus objetivos e não o questionam sobre, por exemplo, as suas limitações no joelho, coluna ou ombro… A avaliação inicial tem de ser feita para determinar as características de cada indivíduo, assim como os seus objetivos, limitações ou perfil de motivação. Não pode ser um mero instrumento para cumprir objetivos comerciais.

De acordo com o seu perfil, veja se o ginásio lhe oferece as opções que mais se ajustam às suas características. Imagine que não gosta de aulas de grupo e que quer apenas fazer algum tipo de caminhada no tapete e depois alongamentos. O local é apropriado? Tem tapetes suficientes e um local agradável para fazer os seus alongamentos? Ou é um ginásio mais vocacionado para as aulas de grupo e, por isso, tem pouco equipamento de corrida ou espaço para alongar? Ou é um ginásio mais vocacionado para pessoas que querem ganhar massa muscular?

Estas são algumas preocupações básicas importantes quando se escolhe um ginásio. Como o risco de abandono é grande para a maioria das pessoas, devemos escolher um local que responda às nossas expectativas, onde nos sintamos bem e em que tenhamos confiança.

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos