«24 Horas a Correr – Portugal» espera ter atletas a correr mais de 200 km

24horas_15a

Agendada para 19 e 20 de setembro, a ultramaratona «24 Horas a Correr – Portugal» realiza-se em Vale de Cambra e já tem o triplo de inscrições da edição do ano passado. Entre os atletas inscritos, homens que correm mais de 200 km em um dia…

 

Se gostou deste artigo, seja nosso amigo e partilhe pelos seus amigos no Facebook

 

24horas_15Diretor do evento, João Paulo Meixedo revelou à Lusa que a “24 Horas a Correr – Portugal” «continua a ser a única ultramaratona do país nesse formato», recordando que, na última edição, 23 atletas concluíram a prova, com 22 dos mesmos a superarem os 42,195 quilómetros, distância mínima oficial da ultramaratona. O vencedor foi o espanhol Andres Vazquez, com 193,2 km, mas três ficaram entre os 150 e 171 e 11 entre os 100 e os 150 quilómetros.

Números que poderão ser superados este ano, com o responsável esperançoso que a prova ultrapasse a mítica marca dos 200 km, já que contará, entre outros, com o campeão do ano passado, recordista espanhol das «48 Horas a Correr», e Janis Actins, da Letónia, que tem como melhor marca pessoal impressionantes 243,9 quilómetros. De referir que a prova já conta com oito nacionalidades diferentes.

Meixedo referiu ainda que, neste tipo de eventos, «o adversário não é o outro concorrente, mas antes o relógio e a estratégia – de ritmo, de descanso, de alimentação».

A «24 Horas a Correr – Portugal» realizar-se-á num circuito de dois quilómetros no Parque Urbano de Vale de Cambra. A ultramaratona será disputada em corrida individual ou por estafetas, mas também contará com uma prova de três horas, igualmente solitária ou em grupo.

«Daí resulta que o circuito chegue a ter 200 atletas em prova ao mesmo tempo, com o primeiro e o último a correrem a par um do outro. Como cada pessoa anda ao seu próprio ritmo, a certa altura o recordista mais experiente está a cruzar-se com o atleta que nunca fez uma ultramaratona antes e ambos vão conversando um bocado pelo caminho», referiu o diretor à Agência Lusa, que ressaltou ainda que o parque da cidade acolherá concertos, aulas de fitness, espaços de restauração, acampamento e outras atividades.

Gostaste do artigo? Faz Gosto ou Partilha com os teus amigos!
Pedro Alves

Pedro Alves

O futebol sempre acompanhou a minha vida, assim como a natação e o voleibol. As tardes no Estádio do Maracanã, primeiro nas arquibancadas com o meu pai e depois com a “torcida” do Flamengo, são momentos que continuam a marcar as minhas recordações, principalmente a ver Zico a jogar. Em Portugal desde 1989, aos poucos o futebol e o voleibol perderam o seu espaço de prática, mas não de interesse (nesse aspeto o futebol é insubstituível, principalmente a seleção brasileira – como “doeu” os 1-7 da Alemanha… -, o Flamengo e o Barcelona). Se no Brasil a corrida era algo supérfluo, nos últimos anos acabou por ganhar a sua devida importância, primeiro como um hábito de saúde e bem-estar, depois como um desafio pessoal, concretamente terminar uma maratona, feito alcançado no Porto, em 2011. Com mais três no curriculum (duas em Lisboa e uma no Funchal), agora o objetivo é correr a primeira maratona internacional.

Gostou? Partilhe pelos amigos